Davi Alcolumbre nega ter agido para adiar eleições no Amapá

Presidente do Senado diz que conversou com autoridades e o presidente do TSE,Luís Eduardo Barroso, mas que pedido partiu do TRE-AP

Davi Alcolumbre negou ter atuado para adiar o processo eleitoral no Amapá

Davi Alcolumbre negou ter atuado para adiar o processo eleitoral no Amapá

REUTERS/Adriano Machado

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), negou nesta quarta-feira (11) que tenha agido, formal ou informalmente, pelo adiamento do processo eleitoral no Amapá em razão do apagão que atinge praticamente todo o estado da região norte do país desde o início de novembro.

Leia também: Congresso aprova convite para Aneel explicar apagão no Amapá

Por meio da sua assessoria de imprensa, Alcolumbre esclareceu que a decisão partiu de um pedido do parlamentar, mas sim de uma iniciativa do TRE-AP (Tribunal Regional Eleitoral do Amapá). Na noite desta quarta, a Justiça Eleitoral do estado enviou ofício ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral com a solicitação.

Leia também: Ministro diz que empresa pode perder concessão por apagão

Depois de insistir que não interferiu em favor do adiamento do pleito, Davi Alcolumbre ressaltou que ministros e autoridades têm entrado em contato com ele para esclarecer o quadro, porque há informações desencontradas.

O senador disse ainda que tem falado frequentemente com o ministro Luís Eduardo Barroso, presidente do TSE, mas de forma igual a que se manifestou com outras autoridades sobre o tema.

Prostestos

Nas conversas, o senador afirmou que há uso político em relação à situação provocada pela crise no estado, pois manifestantes atearam fogo em pneus e causaram tumultos públicos com a "intenção de tumultuar o processo eleitoral"

Além disso, Josiel Alcolumbre, irmão do presidente do Senado, é candidato à Prefeitura de Macapá e lidera a sucessão municipal, de acordo com a mais recente pesquisa Ibope. O político é apoiado pelo atual prefeito, Clécio Luís (Rede Sustentabilidade).