Christina Lemos “Desconstruímos Wajngarten”, diz defesa de Pazuello

“Desconstruímos Wajngarten”, diz defesa de Pazuello

Ex-assessor do Planalto que responsabilizou general pelo atraso na compra de vacinas foi desautorizado por Bolsonaro. Convocação na CPI é dada como certa.

Fábio Wajngarten justificou declarações: pensou "estar ajudando".

Fábio Wajngarten justificou declarações: pensou "estar ajudando".

Marcelo Camargo Agência Brasil - 28.05.2019

Na véspera do início dos trabalhos da CPI da Covid no Senado, cuja reunião de instalação está prevista para amanhã, a defesa do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, considerado alvo certeiro da investigação, acredita ter afastado boa parte dos riscos representados pelas declarações do ex-secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten. “A loucura do Fábio foi desconstruída”, diz assessor que atua na equipe da defesa do ex-ministro.

O grupo comemora as manifestações de apoio do presidente Bolsonaro ao general, feitas desde a sexta-feira. O presidente promoveu diversas aparições públicas ao lado do ex-ministro, deixando clara sua ligação com o auxiliar, e fez referências em defesa de seu trabalho. Bolsonaro também teria cobrado explicações de Wajngarten, que alegou pensar “estar ajudando”.

Apesar da confiança no descrédito do ex-auxiliar do governo, manifesta pela defesa de Pazuello, a convocação do ex-secretário para depor na CPI é dada como certa e será explorada politicamente por adversários do Planalto. Wajngarten chegou a ser apelidado de "novo homem-bomba", por alguns. 

“Deveria ser o primeiro!”, declara auxiliar direto do senador Renan Calheiros (MDB/AL), provável relator da comissão de inquérito. A expectativa é de que o emedebista apresente seu plano de trabalho ainda esta semana. “Vai ser necessária uma organização por temas, como vacina, cloroquina, aglomerações... Porque vai chover requerimentos de convocação”, avalia a fonte.

Últimas