Christina Lemos Militares ficam de fora de discursos de Bolsonaro no Sete de Setembro

Militares ficam de fora de discursos de Bolsonaro no Sete de Setembro

Presidente não usou a expressão “meu exército”, nem mencionou o fato de ser o chefe constitucional das Forças Armadas. Tema teria sido excluído após apelo por prudência

Presidente Jair Bolsonaro sobre carro de som na Avenida Paulista

Presidente Jair Bolsonaro sobre carro de som na Avenida Paulista

Fernando Bicerra/EFE - 07.09.2021

Nos dois pronunciamentos a manifestantes, em Brasília e em São Paulo, o presidente Bolsonaro não fez menção ao apoio que recebe dos militares, nem a eventual uso das Forças Armadas para dar sustentação à conclusão de seu mandato, como fez em outras situações públicas. A escolha teria vindo depois de apelos de auxiliares militares próximos, que teriam convencido Bolsonaro a evitar a associação, para não estimular opositores que o acusam de preparar um golpe militar.

A expressão “o meu Exército” não foi usada pelo presidente, nem tampouco houve menção à participação de militares em seu governo. O ministro da Defesa, Braga Netto, no entanto, esteve presente ao lado de Bolsonaro em ocasiões formais, como no evento reservado no Palácio da Alvorada, e no sobrevôo de helicóptero aos pontos de manifestação em Brasília.

Bolsonaro não recuou de ataques aos ministros do STF, Alexandre de Moraes e Roberto Barroso, os quais mencionou nominalmente somente no discurso em São Paulo. Na ocasião, agravou ataques a membros da Suprema Corte, inclusive com xingamentos, como "canalha".  E  teria rompido acordo feito com parlamentares aliados ao voltar a insistir na implantação do voto impresso e auditável – tema rejeitado por votação pelo Congresso. 

O presidente também declarou que vai se rebelar contra decisões tomadas pelo ministro Moraes, que vem decretando prisões de bolsonaristas que incitam a violência contra o Supremo e seus integrantes.  "Pede pra sair Alexandre de Moraes. Esse presidente não vai mais respeitar suas decisões”, declarou, sendo ovacionado pelos manifestantes logo em seguida.

Últimas