Paciente de covid-19 vai precisar autorizar uso de cloroquina

Em novo protocolo divulgado hoje, Ministério da Saúde determina dosagem do medicamento, que varia conforme gravidade dos sintomas dos pacientes

Paciente assinará termo antes de receber a cloroquina

Paciente assinará termo antes de receber a cloroquina

Fotoarena/Folhapress - 11.04.2020

Os pacientes da covid-19 vão precisar autorizar uso de cloroquina durante o tratamento, de acordo com o novo protocolo divulgado pelo Ministério da Saúde nesta quarta-feira (20).

O paciente será submetido a um termo de autorização, que requer uma assinatura do próprio doente.

O documento informa que o doente está ciente de que não há garantia de resultados positivos e "que o medicamento proposto pode inclusive agravar minha condição clínica, pois não há estudos demonstrando benefícios clínicos". 

Segundo o termo, alguns dos efeitos colaterais do remédio podem ser a redução dos glóbulos brancos, disfunção do fígado, disfunção cardíaca e arritmias, além de alterações visuais por danos na retina. 

Um dos trechos do documento diz o seguinte: "Estou ciente de que o tratamento com cloroquina ou hidroxicloroquina pode causar os efeitos colaterais descritos acima, e outros menos graves ou menos frequentes, os quais podem levar à disfunção grave de órgãos, ao prolongamento da internação, à incapacidade temporária ou permanente, e até ao óbito". 

Veja o modelo do documento:

Divulgação

Divulgação

Veja as dosagens do remédio recomendadas pelo ministério: 

Sintomas leves: anosmia, ageusia, coriza, diarreia, dor abdominal, febre, mialgia, tosse, fadiga e cefaleia

Reprodução/ Ministério da Saúde

Sintomas moderados: tosse persistente, febre persistente diária ou tosse persistente com piora progressiva de outro sintoma relacionado a covid-19 (adinamia, prostração, hiporexia, diarreia) ou pelo menos um dos sintomas acima mais presença de fator de risco.  

Reprodução/ Ministério da Saúde

Sintomas graves: dispneia e/ou hipotensão

Reprodução/ Ministério da Saúde