Pazuello e Ramos cumprem “missão estratégica” em São Paulo

Em agenda conjunta, ministros buscam retomada do diálogo com setores da indústria e comunicação. Pazuello encontra Dória amanhã

General Pazuello, ministro interino da Saúde, selou parceria com Doria ao atender demandas do estado

General Pazuello, ministro interino da Saúde, selou parceria com Doria ao atender demandas do estado

Erasmo Salomão / ASCOM MS

O Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, que esta semana faz um giro pelas capitais com maior incidência da Covid-19, cumpre o primeiro dia de agenda em São Paulo, epicentro da epidemia, ao lado do colega General Ramos, ministro da Secretaria de Governo. A agenda de Ramos inclui reunião, na tarde de hoje,  com o presidente da Record TV, Luiz Cláudio Costa, e com o vice-presidente de Jornalismo, Antônio Guerreiro.

Amanhã, Pazuello terá o primeiro encontro oficial com o governador de São Paulo, João Doria, adversário político de Bolsonaro, mas que mantém bom diálogo com o general. Ramos retorna a Brasília ainda hoje. Os generais são atualmente importantes homens de confiança do presidente Bolsonaro, em missão estratégica a São Paulo.

O secretário de Governo defende publicamente uma abordagem menos negativa dos dados relativos à Covid-19, e é considerado o criador do “placar da vida”, como foi batizado pelo Planalto o indicador de recuperados da doença. Atualmente, segundo o Ministério da Saúde, os recuperados são 166.647, pouco mais de 40% dos casos registrados. Ramos deve reforçar esse ponto no diálogo com dirigentes da Record TV, esta tarde.

A visita conjunta incluiu também a Fiesp, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, no dia seguinte ao anúncio, pelo governo de São Paulo, da retomada paulatina de atividades na capital. O presidente da Federação, Paulo Skaf, é um defensor da reabertura imediata, mas com planejamento mais claro. “O vírus está aí e vai ficar por um tempo. Nós vamos ter de aprender a conviver com ele até que se invente uma vacina”, diz Skaf.  “Pode passar meses. A vida tem de voltar, com a devida cautela”, declara, ao cobrar melhor planejamento da retomada.