Reforma da Previdência
Christina Lemos Previdência terá maratonas de 12 horas diárias de debates

Previdência terá maratonas de 12 horas diárias de debates

Apesar do esforço, feriado e festas juninas ameaçam calendário de votação. Rodrigo Maia quer levar texto ao plenário em 2 de julho.

Plenário da Câmara dos Deputados

Plenário da Câmara dos Deputados

Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O presidente da Comissão Especial da Previdência, deputado Marcelo Ramos (PL/AM),  convocou sessão para esta terça-feira, às 9h, e admite que não há previsão de término. Há cerca de 140 deputados inscritos para debater o texto. Destes, os titulares da Comissão - que são 49 - e os líderes de partidos terão 15 minutos para falar. Os inscritos que não integram o colegiado terão 10 minutos.

As sessões de debate irão até quarta, quando serão interrompidas para a folga do feriado, que emenda nas festas juninas. Em 24 de junho, segunda-feira, quando se comemora o dia de São Pedro, a maior parte dos parlamentares do Nordeste permanecerá em seus estados para os festejos. O debate sobre a Reforma da Previdência será retomado na terça, 25, e a expectativa é de votação do parecer na Comissão entre os dias 26 e 27. A aprovação, neste caso, é por maioria simples: 25 dos 49 titulares.

Pelo cronograma idealizado pelo presidente da Câmara, o texto da emenda será levado para votação em primeiro turno na Câmara entre 2 e 5 de julho. Rodrigo Maia conta com margem pequena de manobra no calendário, já que o recesso da Câmara começa oficialmente no dia 15, mas, na prática, a debandada dos deputados deve ocorrer já na quinta-feira, 11.