Christina Lemos “Trocar Ernesto por Ernesto, não vamos aceitar”, dizem senadores

“Trocar Ernesto por Ernesto, não vamos aceitar”, dizem senadores

Busca de nomes para substituir titular das Relações Exteriores se complica, após senado sinalizar que não aceitará representante da “ala ideológica” de apoiadores de Bolsonaro.

A segunda-feira é de expectativa em Brasília pelo anúncio do eventual substituto de Ernesto Araújo à frente do ministério das Relações Exteriores.  Araújo recebeu o apoio expresso de familiares do presidente e de representantes da “ala ideológica” de seguidores do presidente Bolsonaro e deve resistir no posto. Senadores sinalizam ao Planalto que desejam uma mudança real no comando da diplomacia brasileira. “Trocar Ernesto por Ernesto não vamos aceitar”, foi o recado encaminhado ao Planalto.

O chanceler adotou um discurso de vítima de interesses escusos e foi apoiado pelo deputado Eduardo Bolsonaro, pelo ex-ministro da Educação Abraham  Weintraub e por apoiadores do presidente. “Ela bateu na porta errada”, escreveu o filho do presidente, em apoio à postagem de Ernesto Araújo em que o ministro insinua que a senadora Kátia Abreu (PP/TO) teria tentado fazer lobby em favor da China, na concorrência envolvendo a implantação do 5G no Brasil.

A senadora reagiu à acusação com uma cobrança pública pela demissão imediata do ministro. E colheu o apoio de vários colegas, inclusive do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM/MG). "Ernesto está saindo exclusivamente por falta de competência dele próprio. Depois de uma gestão incompetente, tenta fazer uma cortina de fumaça me atacando", declarou a senadora ao blog.

Últimas