Novo Coronavírus

Christina Lemos Vacina: cidades com mais de 80 mil habitantes pedem prioridade

Vacina: cidades com mais de 80 mil habitantes pedem prioridade

Frente Nacional de Prefeitos formaliza amanhã protocolo junto ao Butantan e diz que não que não quer competir com o programa do governo federal

Coronavac, vacina de fabricação chinesa em parceria com o Instituto Butantan

Coronavac, vacina de fabricação chinesa em parceria com o Instituto Butantan

Amanda Perobelli/Reuters - 30.07.2020

Os gestores municipais representados pela Frente Nacional dos Prefeitos decidiram não esperar pela gestão centralizada do ministério da Saúde para iniciar a vacinação contra a Covid-19. Diante da busca individualizada de prefeitos eleitos de grandes capitais e de governadores estaduais, que têm se reunido com o governador de São Paulo, João Doria, e firmado compromissos de compra da CoronaVac, a FNP anuncia para amanhã um termo de compromisso com o Instituto Butantan para pedir prioridade aos grandes e médios centros urbanos. 

O presidente da entidade, Jonas Donizette, prefeito de Campinhas, sustenta que não há competição com a gestão de Eduardo Pazuello, ministro da Saúde. "O objetivo é tantar garantir à população que a vacina vai chegar o quanto antes. Não há tempo a perder". O argumento é que estas cidades concentram 61% dos habitantes e 75% do PIB. O grupo reúne, além das 26 capitais estaduais, 386 cidades com mais de 80 mil habitantes. 

A CoronaVac ainda não foi submetida ao crivo da Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, seja para uso regular ou emergencial. A promessa do governo de São Paulo é apresentar até esta quarta-feira o resultado dos últimos testes feitos no Brasil, que vão estabelecer o percentual de eficácia do imunizante, para então submetê-la à autorização para aplicação, simultaneamente junto à Anvisa e ao órgão análogo chinês. 

Últimas