Obra vencedora do Jabuti é censurada por 'crítica à PM'

Capa do livro 'Castanha do Pará', de Gidalti Moura Jr, estava exposta em Belém (PA) e foi coberta por ser considerada "uma ofensa à Polícia Militar"

A ilustração que foi censurada em Belém, capa do álbum 'Castanha do Pará'

A ilustração que foi censurada em Belém, capa do álbum 'Castanha do Pará'

Reprodução

A obra 'Castanha do Pará', que venceu a categoria melhor história em quadrinhos no Prêmio Jabuti de 2017, teve sua capa censurada em uma exposição em Belém (PA). O autor, Gidalti Moura Jr., repudiou os "conceitos arbitrários que classificaram a imagem como uma ofensa à Polícia Militar".

A imagem, que é também a capa da novela gráfica, mostra o protagonista, que dá nome a história, saltando sobre uma banca do Mercado Ver-o-Peso, cartão postal da cidade, enquanto um policial, com cassetete à mão tenta acertar o menino com cara de urubu.

Moura Jr. disse em uma rede social que "a retirada da obra do evento é um gesto que vai contra valores fundamentais que defendo, dentre estes, a liberdade de expressão. A obra é ficcional, tem caráter lúdico e expõe situações rotineiras nas metrópoles brasileiras. Quem a compreendeu como apologia ao crime e/ou a desmoralização da Polícia Militar, o faz de forma leviana e sem ao menos ler o livro 'Castanha do Pará'."

A ilustração foi substituída por outra imagem, do interior do livro, na exposição que visa valorizar a obra de artistas do estado.

O quadrinista conclui seu texto, afirmando que "a retirada da imagem da exposição é uma vitória parcial da ignorância, do medo e de forças antagônicas à liberdade".

Veja abaixo a publicação original:

    Access log