Luiz Fara Monteiro LATAM inicia operação Curitiba-Santiago com 80% de ocupação

LATAM inicia operação Curitiba-Santiago com 80% de ocupação

Primeira operação internacional da companhia na capital paranaensereduz em 3 horas o tempo de viagem na comparação com um voocom conexão em Guarulhos

LATAM inicia operação Curitiba-Santiago

LATAM inicia operação Curitiba-Santiago

LATAM - Divulgação

A LATAM inicia hoje (1º/11) a operação da rota Curitiba-Santiago com 80% de ocupação média prevista para os primeiros voos. A nova opção vai reduzir em 3 horas o tempo de viagem na comparação com voos com conexão. A primeira operação internacional da companhia na capital paranaense é também a sua terceira rota Brasil-Chile, que já conta com os voos diretos a partir de Guarulhos (São Paulo) e Galeão (Rio de Janeiro). A nova rota no Paraná permitirá rápidas conexões com outros 4 aeroportos brasileiros: Brasília, Congonhas (São Paulo), Porto Alegre e Santos Dumont (Rio de Janeiro).

A LATAM deve operar mais de 430 voos entre Brasil e Chile em novembro. O volume representa um aumento de aproximadamente 220% na sua operação entre os dois países na comparação com o mesmo mês de 2021. Além da abertura de Curitiba-Santiago, o crescimento será impulsionado pela ampliação das rotas Guarulhos-Santiago (de 19 para 41 voos semanais) e Galeão-Santiago (de 7 para 10 voos semanais).

Para Aline Mafra, diretora de Vendas e Marketing da LATAM Brasil, o investimento em Curitiba reforça como a companhia está atenta às oportunidades para ampliar as opções aos viajantes. “Durante a pandemia ficamos mais eficientes e isso nos permite ampliar a conectividade de forma sustentável não somente nos voos domésticos, mas também para o exterior. O Paraná acaba de ganhar uma opção conveniente para viajar ao Chile com mais agilidade”.

Ao todo, em novembro, a LATAM terá voltado a voar diretamente do Brasil para 21 dos seus 26 destinos internacionais operados antes da pandemia de Covid-19. São eles: Assunção, Barcelona, Bogotá, Boston, Buenos Aires/Aeroparque, Buenos Aires/Ezeiza, Cidade do México, Frankfurt, Lima, Lisboa, Londres, Madri, Mendoza, Miami, Milão, Montevidéu, Nova York, Orlando, Paris, Roma e Santiago.

“A CCR Aeroportos tem como foco ampliar a conectividade de Curitiba e do Estado do Paraná com outros países. O voo direto para Santiago do Chile abre a possibilidade de uma nova experiência entre os destinos: uma viagem rápida e que permite o que chamamos de turismo de escapada, aquelas viagens curtas de três ou quatro dias. Em 2023 teremos cinco feriados prolongados nacionais, uma ótima oportunidade para os paranaenses desfrutarem da cidade, vinícolas ou mesmo ski no Vale Nevado. Para aqueles que tiverem mais tempo a LATAM oferece conectividade para todo a região, incluindo destinos de natureza únicos como o Parque Nacional Torre del Paine no extremo sul e o Deserto do Atacama ao norte do país”, afirma Graziella Delicato, Gerente de Negócios Aéreos da CCR Aeroportos.

“O Chile, logo depois da flexibilização das medidas de saúde, como por exemplo o fim das exigências de autorização de vacinas e o uso obrigatório de máscaras, que foram modificadas no último dia 1, continua sendo um país seguro e com alta taxa de vacinação. A isso, adicionamos que contamos com uma oferta variada e com diferentes destinos para escolha”, diz Veronica Kunze, Subsecretária de Turismo do Chile, complementando que o mercado brasileiro é um dos principais emissores que o Chile tem. “Na última temporada de neve, por exemplo, entre os meses de junho e julho, recebemos quase 60 mil visitantes brasileiros, número que é 49% maior do que o inicialmente projetado”.

CURITIBA-SANTIAGO: TRÊS VOOS SEMANAIS

A partir de Curitiba, os voos têm 3h45 de duração e decolam às terças-feiras, quintas-feiras e sábados às 19h40 (hora local). A partir de Santiago, os voos têm 3h25 de duração e decolam nos mesmos dias às 15h30 (hora local). São operados por aeronaves Airbus A320 com capacidade para até 176 passageiros (8 na cabine Premium Economy e 168 na Economy).

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas