Luiz Fara Monteiro Qatar Airways quer mais de U$ 600 milhões em disputa com a Airbus

Qatar Airways quer mais de U$ 600 milhões em disputa com a Airbus

Companhia aérea alega prejuízo ao retirar algumas aeronaves de operações. Alegação é de baixa qualidade no acabamento externo do modelo A350 

A350 da Qatar Airways: disputa milionária com a Airbus

A350 da Qatar Airways: disputa milionária com a Airbus

Wikimedia Commons

A cada dia que passa, literalmente, se acirra uma milionária queda de braço entre a Qatar Airways e a Airbus, como você já viu aqui no Blog.

Desta vez, o valores disputados na Justiça foram revelados em uma reportagem da Reuters.

A Qatar Airways está reivindicando mais de US $ 600 milhões em compensação da fabricante de aviões Airbus por falhas de superfície em jatos A350, de acordo com um documento judicial lançando uma nova luz sobre uma rivalidade empresarial crescente no valor de US $ 4 milhões por dia.

A companhia aérea do Golfo também está pedindo aos juízes britânicos que ordenem que a Airbus, com sede na França, não tente entregar mais nenhum dos jatos até que o que descreve como um defeito de projeto seja consertado.

As duas empresas estão travadas em uma disputa há meses sobre danos, incluindo tinta empolada, caixilhos de janelas rachados ou áreas rebitadas e erosão de uma camada de proteção contra raios.

A Qatar Airways disse que seu regulador nacional ordenou que ela parasse de voar 21 de seus 53 jatos A350 conforme os problemas surgissem, gerando uma disputa acirrada com a Airbus, que disse que, embora reconheça problemas técnicos, não há questão de segurança.

Agora, os detalhes financeiros e técnicos associados à rara disputa legal surgiram em uma ação judicial em uma divisão do Tribunal Superior em Londres, onde a Qatar Airways processou a Airbus em dezembro.

A companhia aérea do Golfo está pedindo US $ 618 milhões em compensação da Airbus para o encalhe parcial, mais US $ 4 milhões para cada dia que os 21 jatos permanecem fora de serviço.

O pedido inclui US $ 76 milhões apenas para uma aeronave - um A350 de cinco anos que deveria ser repintado para a Copa do Mundo de 2022, que o Catar sediará ainda este ano.

Essa aeronave está estacionada na França há um ano, precisando de 980 remendos de reparo depois que a pintura abortada expôs lacunas no pára-raios, disseram fontes da indústria.

O maior cliente do principal jato de longo curso da Europa afirma que a Airbus falhou em fornecer uma análise de causa raiz completa necessária para responder questões não resolvidas sobre a aeronavegabilidade dos jatos afetados, incluindo o sistema de proteção contra raios.

Os jatos apresentam uma camada de malha de cobre sob a pintura para evitar que raios - que atingem os aviões em média uma vez por ano - danifiquem a fuselagem de carbono composto, que é mais leve, mas menos condutor do que o metal tradicional.

A Airbus disse que entendia a causa e “negaria totalmente” a reclamação da companhia aérea. Acusou a companhia aérea, que já foi uma de suas clientes mais cortejadas, de tentar caracterizar erroneamente os problemas como uma preocupação de segurança.

“A Airbus reafirma que não há problema de navegabilidade”, disse um porta-voz, acrescentando que isso foi confirmado por reguladores europeus.

A Qatar Airways, que encomendou um total de 80 modelos A350, não fez comentários imediatos.

A companhia aérea tem uma reputação de compradora exigente, rejeitando entregas esporadicamente por motivos de qualidade.

Mas a reclamação de 30 páginas detalhou um colapso incomum nas relações entre dois dos jogadores mais poderosos da aviação.

A disputa aumentou em novembro, quando uma investigação da Reuters revelou que pelo menos cinco outras companhias aéreas haviam descoberto falhas na superfície, o que levou a Airbus a criar uma força-tarefa interna e a explorar um novo projeto anti-relâmpago para futuros aviões A350.

Até agora, o Catar é o único país a manter alguns dos jatos no chão.

De acordo com as regras da aviação, o principal regulador do fabricante - neste caso, a Agência para a Segurança da Aviação da União Europeia (EASA) - tem a responsabilidade de supervisionar o projeto da aeronave.

Os reguladores de cada país quando o avião é operado são responsáveis ​​por cada aeronave individualmente.

A reclamação detalhou como a Autoridade de Aviação Civil do Catar (QCAA) começou a retirar as autorizações de vôo de aviões A350 individuais em uma série de cartas de junho de 2021.

Ele disse que a QCAA disse à Airbus que a deterioração dos aviões era “perturbadora, senão alarmante”.

É a primeira evidência pública da posição do regulador do Catar, que até agora não se pronunciou em público.

A Airbus parece questionar a independência do QCAA da companhia aérea estatal, dizendo que a decisão de arrastar a segurança para um assunto técnico colocou em risco os protocolos de segurança globais.

O presidente-executivo da Qatar Airways, Akbar Al Baker, disse em novembro em Londres que o órgão regulador do Catar era o responsável pelas decisões e que a disputa havia causado problemas nas operações.

A companhia aérea começou a retirar os A380s desativados da aposentadoria para se preparar para a Copa do Mundo de futebol.

Últimas