Moto Segurança e Trânsito Associação Europeia de Fabricantes de Motos lança Projeto de Educação

Associação Europeia de Fabricantes de Motos lança Projeto de Educação

ACEM apresenta para UE estratégia de segurança da indústria de motocicletas e define a visão do setor de motocicletas para o "Horizon 2030" em áreas como conectividade e tecnologia de segurança, treinamento de qualidade 

Antonio Perlot, Secretário-Geral da ACEM com Matthew Baldwin, Coordenador Europeu de Segurança Rodoviária

Antonio Perlot, Secretário-Geral da ACEM com Matthew Baldwin, Coordenador Europeu de Segurança Rodoviária

Foto: Divulgação ACEM

Para você se situar, necessário lembrar que em setembro de 2015, líderes mundiais reuniram-se na sede da ONU, em Nova York, e decidiram um plano de ação para erradicar a pobreza, proteger o planeta e garantir que as pessoas alcancem a paz e a prosperidade: a Agenda 2030 (Horizon 2030) para o Desenvolvimento Sustentável, a qual contém o conjunto de 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A Agenda 2030 e os ODS afirmam que para pôr o mundo em um caminho sustentável é urgentemente necessário tomar medidas ousadas e transformadoras. Os ODS constituem uma ambiciosa lista de tarefas a serem cumpridas até 2030.

ACEM lança "The Safe Ride to the Future 2.0", a estratégia de segurança da indústria de motocicletas

Em 30 de setembro de 2020, a Associação Europeia de Fabricantes de Motos, (ACEM), apresentou  em tradução "A viagem segura para o futuro 2.0", a estratégia de segurança da indústria de motocicletas.

"The Safe Ride to the Future 2.0" define a visão do setor de motocicletas para o Agenda 2030 determinado pela ONU em áreas como conectividade e tecnologia de segurança avançada. Também desenvolve a iniciativa da indústria de aumentar a qualidade do treinamento pós-licenciamento em motocicletas na Europa por meio de um Selo Europeu de Qualidade de Treinamento.

O documento de política também descreve como o setor de motocicletas está trabalhando com outras partes interessadas europeias e nacionais para promover a implementação de políticas de transporte que abrangem a segurança de motocicletas.

A indústria de motocicletas apoia a adoção, pelos formuladores de políticas, de uma abordagem de Sistema Seguro para o motociclismo, abordando simultaneamente fatores humanos, veiculares e de infraestrutura viária. Isso, combinado com um maior envolvimento com a sociedade civil e os setores público e privado, resultará em mais melhorias na segurança das motocicletas.

Nota: Perceba que a proposta da Associação Europeia de Fabricantes de Motos é audaciosa e robusta, todavia, se em um primeiro olhar  parece não ter nada a ver com as 17 Propostas da ONU que forma a Agenda 2030, com mais atenção notará que “The Safe Ride to the Future 2.0” vai de encontro com pelos menos 8 pilares ou propostas, senão vejamos: 3)  Boa Saúde e Bem Estar; 4) Educação de Qualidade; 7) Energia acessível e limpa; 8)Trabalho digno e crescimento econômico; 9) Indústria, inovação e infraestrutura; 11) Cidades e comunidades sustentáveis; 12) Produção e Consumo responsáveis; 13) Ação Climática.

Segundo Antonio Perlot, Secretário-Geral da ACEM: "Existem mais de 34 milhões de motocicletas, scooters e ciclomotores em uso na Europa. Isso traz benefícios consideráveis, como mobilidade acessível, níveis reduzidos de congestionamento de tráfego, acesso a empregos e serviços, bem como fruição por meio de atividades como mobilidade de lazer, esporte e turismo. A indústria de motocicletas apela aos formuladores de políticas nacionais, regionais e locais para que adotem políticas inclusivas de mobilidade e segurança em motocicletas, beneficiando os usuários e o restante da sociedade.”

Não basta a motocicleta oferecer mobilidade, movimentar todo setor produtivo e de serviços girando a economia, é necessário colaborar com o meio ambiente produzindo pouca emissão de poluentes e acima de tudo promover a vida com adoção de propostas de educação de qualidade (formação de condutor, habilitação e treinamentos pós-habilitação), algo que mencionei no artigo aqui no R7 em novembro de 2019, click aqui para ler.

Adina Vălean, Comissária Europeia para os Transportes, saudou a estratégia da indústria: "Louvamos o empenho da ACEM e saúdo a estratégia de segurança rodoviária da indústria de motociclos. A UE comprometeu-se a reduzir em 50% o número de mortos e feridos graves na via pública até 2030. Para o conseguir esse objetivo ambicioso, estamos implementando a abordagem do Sistema Seguro, que aborda todas as áreas importantes para a segurança no trânsito: infraestrutura, veículos, comportamento de direção e cuidados pós-colisão. O Selo Europeu de Qualidade do Treinamento em Motocicletas foi fortemente apoiado pela Comissão Europeia. A formação em segurança de qualidade é um elemento fundamental da abordagem do Sistema Seguro. Devemos continuar a trabalhar em conjunto para melhorar a segurança rodoviária para todos nas estradas européias".

Por fim, Matthew Baldwin, Coordenador Europeu de Segurança Rodoviária, disse: "Este é um ótimo trabalho da ACEM e precisamos de um envolvimento mais forte das partes interessadas em todos os níveis. Esta é uma forma eficiente de fornecer iniciativas de segurança bem adaptadas e relevantes para a comunidade de motociclistas . Continuaremos a trabalhar em estreita colaboração com a indústria e estamos muito gratos por sua determinação em nos ajudar a cumprir as metas de segurança acordadas na UE e, claro, agora definidas em nível global da ONU para a próxima década".

Enquanto isso no Brasil florestas e animais são dizimados em queimadas causadas criminosamente e sem controle, o Código de Trânsito Brasileiro sofreu reforma abrandando e incentivando os infratores e o Projeto Motociclismo com Segurança que se tornou matéria de extensão universitária na UNIR - Universidade Federal de Rondônia(leia aqui) e com Acordo Técnico Educacional com Centro Paula Souza não tem qualquer apoio da iniciativa privada, especialmente dos fabricantes de motocicletas.

Leia: Parceria do Detran com UNIR permite que universidade seja a 1º no Brasil a ofertar curso de pilotagem com certificação

Fonte: ACEM, ONU, EC

Últimas