Moto Segurança e Trânsito Produção de Motocicletas Ultrapassa 104 mil unidades em Novembro

Produção de Motocicletas Ultrapassa 104 mil unidades em Novembro

Indústria atinge segundo melhor resultado do ano, com volume 14,5% superior ao registrado no mês anterior

Motocicleta se torna principal meio de mobilidade diante da necessidade de afastamento social

Motocicleta se torna principal meio de mobilidade diante da necessidade de afastamento social

Foto: Divulgação Triumph Brasil

A indústria brasileira de motocicletas produziu em novembro 104.094 unidades no Polo Industrial de Manaus (PIM). De acordo com dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, o volume corresponde a uma alta de 14,5% na comparação com outubro do presente ano (90.880 unidades) e de 11,8% em relação ao mesmo mês de 2019 (93.128 unidades).

Esse foi o segundo melhor resultado do ano – ficando abaixo de setembro, quando foram fabricadas 105.046 motocicletas. Na análise de Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, o desempenho sustentável, desde a retomada das atividades fabris, é resultado dos esforços de toda a cadeia produtiva para atender à crescente demanda por motocicletas. “Estamos tentando suprir as necessidades do mercado e todas as fabricantes e seus fornecedores trabalham para atingir o equilíbrio entre a oferta e a demanda o mais rápido possível.”

Fermanian explica que, por enquanto, não será possível acabar com esse descompasso. “É preciso ter a pandemia da covid-19 sob controle para conseguirmos voltar aos níveis normais de produção. A adoção de uma série de restrições, que exigiram mudanças no layout das fábricas para garantir a saúde dos colaboradores, gerou aumento no tempo de fabricação das motocicletas e isso impactou fortemente o desempenho do setor”.

Os números comprovam essa afirmação: de janeiro a novembro, 888.515 motocicletas saíram das linhas de montagem, significando retração de 14,5% ante as 1.038.696 unidades registradas no mesmo período de 2019.

Fermanian salienta que, embora o resultado seja negativo, o setor foi menos afetado na comparação com outros setores da indústria. “A motocicleta passou a ser a opção de deslocamento para as pessoas que querem evitar a aglomeração natural do transporte público. Além disso, é um meio de deslocamento ágil, econômico e de baixo custo de manutenção”, avalia.  Ele acrescenta outro dado importante: o veículo se tornou um instrumento de trabalho e fonte de renda para as pessoas que passaram a atuar nos serviços de entrega.

Revisão das projeções

Dado este novo cenário, a Abraciclo revisou recentemente suas projeções para este ano. A estimativa é fechar 2020 com 937.000 motocicletas produzidas, o que representaria retração de 15,4% na comparação com 2019 (1.107.758 unidades).

A estimativa anterior, apresentada em janeiro, no período pré-pandemia, era de fabricar 1.175.000 motocicletas.

Confira abaixo as novas projeções para produção, exportação, atacado (vendas paras concessionárias) e varejo (emplacamentos):

Apesar do crescimento, produção não recuperará números de 2019

Apesar do crescimento, produção não recuperará números de 2019

Fonte: ABRACICLO

Vendas no atacado

As fábricas repassaram para as concessionárias 101.881 motocicletas em novembro. Na comparação com outubro do presente ano (90.809 unidades), houve alta de 12,2% e em relação ao mesmo mês de 2019 (94.358 unidades), o aumento foi de 8%.

No acumulado do ano as vendas no atacado somaram 858.325 motocicletas, o que representa queda de 15,3% na comparação com o mesmo período de 2019 (1.012.967 unidades).

Desempenho por categoria

Os destaques de novembro foram as categorias Bigtrail e Street. A primeira registrou o maior crescimento percentual de vendas no atacado. As concessionárias receberam 2.119 motocicletas, volume 48,6% maior em relação ao mês anterior (1.426).

A Street foi a categoria mais comercializada em números absolutos. No total, foram 49.905 motocicletas, correspondendo a uma elevação de 10,7% na comparação com outubro do presente ano (45.072 unidades) e de 12% ante as 44.560 motocicletas registradas no mesmo mês do ano passado.

Veja a seguir o comparativo de evolução das vendas mensais no atacado, por categoria:

Fonte: ABRACICLO

A Street manteve a liderança no ranking do acumulado de vendas no atacado, com 441.457 motocicletas e 51,4% de participação no mercado. Em segundo lugar, ficou a Trail, com 159.995 unidades e 18,6% de participação.

EMPLACAMENTOS

       Em novembro foram licenciadas 89.409 motocicletas. Segundo levantamento do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) analisado pela Abraciclo, houve queda de 7% na comparação com outubro  (96.114 unidades). Em relação a novembro de 2019,  quando  foram emplacadas 88.384 motocicletas, a alta foi de 1,2%.

Com 20 dias úteis, a média de vendas diária foi de 4.470 unidades – o melhor resultado para o mês de novembro desde 2014 (5.598 motocicletas/dia). Na comparação com outubro (4.577 unidades/dia), que teve um dia útil a mais, foi registrado recuo de 2,3%. Na comparação com novembro do ano passado (4.419 motocicletas/dia), que também teve 20 dias úteis, o volume de emplacamentos foi 1,2% maior.

        A região Sudeste liderou o ranking de emplacamentos com 32.787 unidades e 36,7% de participação no mercado. Em segundo lugar ficou a região Nordeste (28.603 motocicletas e 32% de participação). Na sequência vieram Norte (10.407 unidades e 11,6% de participação), Centro Oeste (8.847 unidades e 9,9% de participação) e Sul (8.765 unidades e 9,8% de participação).

        Os cinco estados que apresentaram o maior volume de emplacamentos foram: São Paulo (19.672 motocicletas licenciadas), Minas Gerais (7.082 unidades), Bahia (5.613 unidades), Ceará (5.091 unidades) e Pernambuco (5.064 unidades).

No acumulado do ano, as vendas no varejo somaram 816.382 motocicletas, o que corresponde a uma redução de 17% ante as 983.148 unidades licenciadas no mesmo período de 2019.

EXPORTAÇÕES

As exportações de motocicletas totalizaram 3.164 unidades em novembro. Esse volume foi 35,8% maior que o registrado em outubro do presente ano (2.330 unidades) e 3,4% menor na comparação com o mesmo mês de 2019 (3.276 unidades).

Os três principais destinos das motocicletas produzidas no Polo Industrial de Manaus foram Argentina, Estados Unidos e Canadá. De acordo com dados do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat, que registra os embarques totais de cada mês, analisados pela Abraciclo, para o mercado argentino foram embarcadas 1.968 unidades, o que corresponde a 41,4% do total exportado. Para os Estados Unidos foram enviadas 1.516 motocicletas (31,9% do total exportado) e para o Canadá 518 unidades (10,9%).

No acumulado do ano, foram exportadas 29.147 motocicletas, unidades, retração de 18% ante as 35.560 unidades registradas no mesmo período de 2019.

Vendas de motonetas mantém alta

Vendas de motonetas mantém alta

Foto: Gustavo Epifânio

A Argentina e os Estados Unidos mantiveram suas posições no ranking do acumulado do ano. Para o país vizinho, as exportações somaram 10.409 unidades, correspondendo a 35,6% das exportações. Já para o mercado norte-americano foram embarcadas 6.107 motocicletas (20,9% do total exportado). Em terceiro lugar, ficou a Colômbia, com 5.420 unidades (18,5% do total exportado).

Últimas