A importância de um líder com grandeza moral

Enquanto debates de torcida invadem novamente ferramentas de comunicação e redes sociais, o brasileiro deixa passar algo muito importante: quais qualidades morais queremos dos nossos governantes?

Juscelino Kubitschek, um dos principais políticos da história brasileira.

Juscelino Kubitschek, um dos principais políticos da história brasileira.

Lance! Galerias

Hoje acompanhei desde as primeiras horas do dia a posse de Joe Biden e Kamala Harris. Os rituais, a institucionalidade, o respeito pelos símbolos nacionais. Não poderia deixar de observar, como analista, a posse na democracia mais antiga no mundo. E confesso, me senti feliz e triste. Inspirado e em dúvida. Pensativo. 

Somos acostumados a acreditar que o brasileiro é feito de paixões. Que somos criativos e que isso sempre nos tira dos piores momentos. Que somos sobreviventes. Mas hoje, ouvindo os discursos, sobretudo de Biden e da jovem poetisa Amanda Gorman, de 22 anos, fiquei pensando quando o brasileiro vai, como POVO, discutir a grandeza moral de seus governantes. Na busca das paixões, da sobrevivência, de se afirmar como "criativos", estamos deixando passar uma questão cara a todos, enquanto sociedade: os valores de quem elegemos. E não estou dizendo apenas do que dizem mas sim do que fazem. Não me refiro a imagem deles mas sim dos resultados que apresentam ou não. 

As questões morais são não só a base de uma sociedade, mas de uma nação também. O estudo ético destas questões morais é que vão mostrar se estamos ou não em um bom caminho. É uma análise coletiva. 

Não espere que pessoas egoístas, que só pensam em si e no seu projeto pessoal se questionem sobre isso. Os egoístas são pessoas muito burras na verdade. Ignoram a sociedade mas tentam se aproveitar dela como sanguessugas, quando é de seu interesse. Este tipo de pessoa não serve para muita coisa ao longo da história. São esquecidos. Simples assim. Os egoístas são muito parecidos com o descrito no poema O Analfabeto Político, de Bertold Brecht. Eles não enxergam. Não entendem que uma sociedade funcional depende das questões morais sólidas. Lembrando que moralidade tem a ver com base, com educação, com respeito ao outro, com investigação. 

Quando elegemos alguém, pelo voto democrático, temos o dever de analisar sua condição moral de ocupar aquele cargo. Temos o direito de cobrá-lo e até mesmo de nos arrependermos do nosso voto. Mas não temos o direito de errar muito mais. Sabe por quê? Porque o tempo não perdoa. Não retroage. O tempo tem o poder de deixar cicatrizes enormes. É exatamente isso que estamos vivendo hoje. 

Elegemos heróis. Ídolos de pés de barro. Rimos com a nossa própria desgraça. Flertamos com a ruptura institucional e toleramos. Sabem por quê? Porque "somos brasileiros e não desistimos nunca". Que bobagem. Quando deixaremos de ser ignóbeis na escolha e na cobrança de nossos governantes? Temos medo de impeachment? De que seja um processo traumático? Não deveriam ser eles que têm de temer este processo caso não cumpram suas funções e apresentem resultados dignos do nosso voto? 

Quando a régua moral é baixa (e sim, este é o caso do Brasil, queira você ou não, quando elege muitos de seus representantes, do presidente da república aos vereadores e líderes de comunidade) não se pode esperar muito. Outro dia ouvi algo interessante sobre o mandato do presidente Bolsonaro. Uma pessoa disse: Guto, talvez o Bolsonaro não seja o primeiro mandato de uma nova era. Talvez ele seja o último da antiga era. Faz sentido. Desde o segundo mandato de Lula o Brasil experimenta e aceita a podridão moral do que existe de pior na política brasileira. E estamos vendo isso no mandato Bolsonaro também. Apenas cegos não percebem que os dois são lados opostos de uma mesma moeda, porém representam moralmente a mesma coisa: atraso. 

Hoje, mais uma vez, com toda a crise das últimas semanas, os EUA deram uma lição de grandeza. Biden mostrou um farol claro de para onde os EUA irão. E nós, quando daremos a nossa primeira?

Últimas