Entenda se ainda é possível começar a receber o auxílio emergencial

Saiba o que fazer se não pediu o benefício, se dados foram inconclusivos ou teve benefício negado; pagamento é feito em cinco parcelas

Ainda é possível realizar contestação do auxílio negado

Ainda é possível realizar contestação do auxílio negado

CAIO ROCHA/FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

"Tenho direito ao auxílio emergencial (preencho todas as condições), mas não fiz o pedido. Ainda posso receber?"

(Pergunta do internauta João)

Resposta: Não. O prazo para pedir o benefício do auxílio emergencial terminou às 23h59 do dia 2 de julho.

Mas quem fez o pedido até o dia 2 de julho e for aprovado, receberá as cinco parcelas do benefício. 

Segundo o Ministério da Cidadania, 1,7 milhão de pedidos do auxílio foram feitos entre 17 de junho e o dia 2 de julho, prazo final para solicitação do benefício. 

Até o dia 10 de julho, mais de 917 mil pessoas estavam com os cadastros classificados como “inconclusivos” nos sistemas.

Quem está nessa situação pode complementar seus dados via aplicativo e site da Caixa para que seu requerimento seja processado.

E se o benefício for negado?

Nesse caso, se entender que tem direito e houve alguma avaliação errada, é possível fazer uma contestação.

Veja aqui o passo a passo para fazer a contestação do auxílio.

Se depois de fazer a contestação ainda tiver o benefício negado, mas entender que preenche os requisitos, pode procurar a ajuda da Defensoria Pública da União.

Veja como pedir a ajuda da DPU.

O auxílio emergencial é um benefício no valor de R$ 600 (que pode chegar a R$ 1.200) destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, e tem por objetivo fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise causada pela pandemia do coronavírus.

Quantas parcelas recebo se for aprovado em julho?

Quem for aprovado para receber o benefício recebe as cinco parcelas, independentemente da data da aprovação.

_________________________

Se ainda tiver mais dúvidas sobre economia, dinheiro, direitos e tudo mais que mexe com o seu bolso, envie suas perguntas para “O que é que eu faço, Sophia?” pelo e-mail sophiacamargo@r7.com