Novo Coronavírus

Itaú demite empregados que pediram auxílio emergencial

Cerca de 50 funcionários foram demitidos sem justa causa; em nota, banco diz que prática caracteriza desvio de conduta

"Ética é um valor fundamental", diz banco em nota

"Ética é um valor fundamental", diz banco em nota

Futura Press/Folhapress

Em um comunicado interno repassado aos seus funcionários na quarta-feira (3), o banco Itaú informou que decidiu demitir empregados que solicitaram o auxílio emergencial pago pelo governo.

A informação foi confirmada pela coluna, que apurou ainda que foram cerca de 50 demissões, todas sem justa causa. Não foram especificadas as datas das demissões nem qual foi o procedimento para apurar o recebimento do auxílio pelos empregados.

Em nota, a assessoria de imprensa do banco informou que para o Itaú Unibanco "ética é um valor fundamental, que deve ser cultivado não apenas nas decisões do banco, mas também dos seus colaboradores, que são orientados e treinados de forma recorrente sobre o tema. Desta forma, ao identificar que alguns dos seus profissionais solicitaram o auxílio emergencial disponibilizado pelo Governo Federal, prática que caracteriza desvio de conduta, o banco decidiu pelo desligamento desses colaboradores.”

Para ter direito ao auxílio emergencial pago pelo governo para ajudar as pessoas em dificuldades financeiras durante a pandemia, o cidadão não podia ter carteira assinada nem receber qualquer benefício do governo, com exceção do Bolsa Família.


Últimas