Seu patrão está depositando o FGTS todos os meses? Saiba conferir

Todo trabalhador com carteira assinada tem direito ao depósito do FGTS sem que haja nenhum desconto no salário

Seu patrão está depositando o FGTS todos os meses? Saiba conferir

Caixa envia extrato para casa do contribuinte a cada 2 meses

Caixa envia extrato para casa do contribuinte a cada 2 meses

Marcos Santos/USP Imagens

Todo trabalhador com carteira assinada tem direito ao depósito mensal do FGTS sem que o salário seja descontado. O depósito deve ser feito até o dia 7 de cada mês.

Para conferir se a empresa está fazendo os depósitos corretamente, existem três formas:

1) verificar o extrato que a Caixa Econômica Federal envia para o trabalhador a cada dois meses;

2) conferir os depósitos via SMS (mensagens enviadas ao celular);

3) conferir os depósitos via aplicativo FGTS no celular.

Caso não esteja recebendo o extrato ou o SMS, o trabalhador deverá informar seu endereço completo em uma agência da Caixa, pelo telefone 0800 726 0207 ou pela internet.

Se optar por receber o SMS, o contribuinte deixa de receber o extrato a cada dois meses em casa.

Para se cadastrar pela internet para receber o SMS, é preciso informar o número do PIS, Pasep ou o NIT, que é código de identificação que a Previdência Social fornece a quem não tem inscrição no PIS ou Pasep (como nos casos dos empregados domésticos).

É possível encontrar esses números no cartão PIS/Pasep ou na carteira de trabalho. Caso não encontre, contate o atendimento da Previdência Social — pelo telefone 135, opção 5 —, que funciona das 8h às 23h, de segunda-feira a sábado. É preciso informar alguns dados pessoais, como nome completo, nome da mãe, número do CPF e data de nascimento.

Outra maneira de obter o extrato do FGTS é baixando o aplicativo disponível para Google Play, Android e IOS. Por meio desta opção, também é necessário ter o número do NIS (Número de Inscrição Social), que é o número do PIS, Pasep ou NIT, além de cadastrar uma senha.

E se o depósito não estiver sendo feito?

Nesse caso, procure primeiro o RH da empresa. Caso não tenha uma resposta satisfatória, informe a Delegacia Regional do Trabalho e denuncie a empresa.

Tem alguma dúvida sobre economia, dinheiro, direitos e tudo mais que mexe com o seu bolso? Envie suas perguntas para “O que é que eu faço, Sophia?” pelo e-mail sophiacamargo@r7.com.

Curta também no Facebook

    Access log