A hora é de otimismo com a retomada econômica do Brasil 

Aquecimento do mercado imobiliário é um dos fatores positivos que nos permite olhar para o cenário econômico do País de forma otimista

Cresceu o financiamento para compra e construção de moradias

Cresceu o financiamento para compra e construção de moradias

JACQUES LEPINE/ESTADÃO CONTEÚDO - 28.10.2014

Muito se fala do quanto é determinante, para o crescimento da economia, a sociedade se movimentar a partir de expectativas positivas. Esse ambiente, obviamente, depende de condições reais e não da força do pensamento. Pois, neste momento, o otimismo deixou de ser uma opção para o Brasil. Tornou-se imperativo e obrigatório.

Os motivos vão se alinhando, de forma lenta, mas consistente. As notícias que chegam do mercado imobiliário vêm se somar ao fim da recessão, ao gradual aumento na geração de empregos formais e na força de um povo trabalhador que mesmo na informalidade busca seu sustento e alguma dignidade.

A concessão de financiamentos para a compra e a construção de moradias no País em janeiro de 2020 atingiu R$ 7,27 bilhões. Isso representa crescimento de 42,7% em relação a janeiro do ano passado. É o maior volume de empréstimos para o mês desde 2016. No acumulado dos últimos 12 meses até janeiro, o crédito imobiliário totalizou R$ 80,9 bilhões, o que representa um crescimento de 37,9%.

A construção civil é um dos principais motores de qualquer economia. No caso brasileiro, é um forte sinal de que estamos em um inequívoco movimento de recuperação. Não é pouco para um país que enfrentou a maior crise econômica de sua história – cheia de tropeços, solavancos e “voos de galinha”.

Não, não está fácil para ninguém. Otimismo não é fuga da realidade. É alimento e combustível para que os fatos possam emergir com a força armazenada nos tempos difíceis. Esse estoque temos de sobra. É hora de erguer a cabeça, tomar fôlego e olhar para a frente. Avante.