R7 Planalto Acionistas da Vale deveriam se mudar para Brumadinho

Acionistas da Vale deveriam se mudar para Brumadinho

A falta de fiscalização governamental só aumenta a sensação de impotência dos que sabem que mineradoras no Brasil administram bombas-relógio

Quem tem dividendos a receber poderia montar acampamento em Brumadinho

Quem tem dividendos a receber poderia montar acampamento em Brumadinho

Giazi Cavalcante/Estadão Conteúdo

O iminente rompimento da mina do complexo minerário Gongo Soco, em Barão do Cocais (MG), recoloca a Vale fora do noticiário econômico – de onde jamais' deveria ter saído desde que foi privatizada, em maio de 1997. No entanto, a coleção de tragédias da empresa, nos últimos cinco anos, faz com que até o valor das ações da mineradora na Bolsa e os dividendos recebidos pelos acionistas adquiram a cor de manchetes sensacionalistas, marrom como a lama que encobriu os corpos das 240 pessoas mortas em Itabirito (2014), Mariana (2015) e Brumadinho (janeiro deste ano).

Depois da desestatização, os investimentos, a produção e os lucros dispararam e consolidaram a ex-estatal brasileira entre as gigantes mundiais da mineração. Durante essas duas últimas décadas, ninguém soube a tempo da criminosa negligência da empresa com normas de segurança, mas era notória, no mercado financeiro, a generosidade da direção da Vale na hora de recompensar seus acionistas — atualmente em torno de 250 mil, boa parte deles estrangeiros.

Pelas informações que vieram à tona depois de Brumadinho (embora já estivessem disponíveis), é imenso o risco de novas catástrofes (previsíveis, mas não evitadas). Oito barragens administradas pela Vale estão em “severo risco de rompimento”, e a empresa sabe disso desde outubro do ano passado.

A falta de fiscalização governamental só aumenta a sensação de impotência dos que sabem que mineradoras no Brasil administram bombas-relógio. Alertada pela imprensa, e só depois disso, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente de Minas suspendeu, em fevereiro, as atividades nas tais oito barragens.

Nesse compassso de espera, como não sabemos onde (nem se) soará algum alarme, fica uma sugestão para os (por outros motivos) ansiosos acionistas que não sabem como vencer o constrangimento (se houver) de cobrar da Vale o rico dinheirinho de seus dividendos: montem um acampamento em Brumadinho.

Em rodízio, todo dia, ao nascer e ao pôr do sol, saúdem os sobreviventes: "Desculpem nossa ganância, brasileiros. Perdão."