R7 Planalto "Bancada da selfie" é a maior do Congresso Nacional

"Bancada da selfie" é a maior do Congresso Nacional

Chamou a atenção ontem a quantidade de deputados que faziam "lives" durante a votação da MP 870. Governo foi derrotado no Coaf

"Bancada da selfie" é a maior do Congresso

"Bancada da selfie" é a maior do Congresso

"Bancada da selfie" é a maior do Congresso

DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Visualmente, a bancada da "selfie" é a maior do Congresso Nacional. Na votação da MP 870 na noite de ontem (22), com plenário lotado, as câmeras dos jornalistas flagraram dezenas de deputados, de vários partidos, fazendo "selfies" e "lives" durante a discussão da medida provisória que redefiniu o desenho da Esplanada dos Ministérios, reduzindo de 29 para 22 pastas. 

O texto também tirou o Coaf do Ministério da Justiça de Moro e o colocou sob o guarda-chuva do ministro da Economia Paulo Guedes, uma derrota para o governo Bolsonaro por uma margem apertada, de 228 a 210 votos. 

A "bancada da selfie" não existe oficialmente e, portanto, é impossível de ser medida. Mas o apelido já existe nos corredores do Congresso. A característica de andar com um celular na mão narrando para um eleitor que está do outro lado tudo o que acontece é cada vez mais comum. É muito presente no PSL, que elegeu a segunda maior bancada da Casa, graças, em grande medida, à capilaridade do partido nas redes sociais. 

O que se questiona agora é se o novo comportamento dos parlamentares pode ser prejudicial às discussões na Casa. Prestar contas ao eleitor é obrigação do parlamentar e muito positivo. Mas viver em uma tela e perder parte das discussões que acontecem na Casa pode ser prejudicial ao andamento das votações. 

A base do governo na Câmara tem tido dificuldade de articulação. Deputados de partidos aliados, principalmente do Centro, reclamam da falta de diálogo. A derrota do governo por 18 votos na questão do Coaf sinaliza que pode ser fundamental que os deputados conversem mais entre si, olho no olho. 

Veja os vídeos feitos pela produção da Record TV