CPI da Covid

R7 Planalto Barroso diz que consultou ministros do STF sobre CPI da Covid

Barroso diz que consultou ministros do STF sobre CPI da Covid

Ministro determinou, nesta quinta-feira (8), abertura da comissão pelo Senado Federal para apurar omissão do governo federal

  • R7 Planalto | Clébio Cavagnolle, da Record TV, e Plínio Aguiar, do R7

Na imagem, ministro Luis Roberto Barroso (STF)

Na imagem, ministro Luis Roberto Barroso (STF)

José Cruz/Agência Brasil - 03.08.2018

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), reagiu na tarde desta sexta-feira (9) às críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) após a determinação de abertura de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da covid-19.

"Na minha decisão, limitei-me a aplicar o que está previsto na Constituição, na linha de pacífica jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, e após consultar todos os ministros. Cumpro a Constituição e desempenho o meu papel com seriedade, educação e serenidade. Não penso em mudar", afirmou Barroso.

Na noite da última quinta-feira (8), Barroso determinou a abertura pelo Senado Federal da CPI, que irá apurar ações e omissões do governo federal no combate à pandemia de covid-19. A decisão atende a pedido feito pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Cidadania-GO), que questionam a posição de Rodrigo Pacheco (DEM-MG), presidente do Senado, em avaliar o requerimento pela investigação, apresentado há 64 dias, no início de fevereiro, e que conta com cinco assinaturas a mais do que as que são exigidas.

Bolsonaro criticou a decisão de Barroso e afirmou que lhe falta coragem moral. "Eles não querem saber do que aconteceu com os bilhões desviados por alguns governadores e alguns poucos prefeitos também. Agora, detalhe: dentro do Senado tem processo de impeachment contra ministro do STF. Eu quero saber se o Barroso vai ter coragem moral de mandar instalar esse processo de impeachment também. Pelo que me parece falta coragem moral do Barroso e sobra ativismo judicial", disse o presidente.

Últimas