R7 Planalto Bolsonaro anuncia redução de imposto de videogames

Bolsonaro anuncia redução de imposto de videogames

Afirmação ocorreu nesta quinta-feira (8) durante a tradicional live diretamente da Ilha do Marajó, no Pará, onde cumpre agenda pública

Na imagem, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

Na imagem, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

Planalto / Flickr 5-10-2020

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quinta-feira (8) durante a tradicional live que irá reduzir os impostos em jogos eletrônicos.

“A garotada ano passado resolveu reclamar do preço dos jogos eletrônicos, chips e etc. E tinha um degrau de imposto. Nós conseguimos passar o maior degrau de 50% para 40% e agora a molecada voltou a chiar novamente, com razão”, disse Bolsonaro.

Leia mais: Bolsonaro diz que há estudos para baixar impostos de jogos eletrônicos

“Já conversei com o Paulo Guedes (ministro da Economia) e ele deu o sinal verde. Já conversei com o (José Barroso) Tostes, da Receita Federal. Então no ano passado passamos de 50% para 40%. Agora vamos passar de 40% para 30%. E você pode estar reclamando, que é muito. Eu sei que é muito, mas vai com calma, pô, não dá pra tirar tudo de uma vez. Se Deus quiser, semana que vem poderemos ter uma boa notícia sobre impostos de jogos eletrônicos”, acrescentou.

A redução de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) de videogames foi alvo de uma sugestão do deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP). O parlamentar sugeriu a proposta ao Ministério da Economia em setembro. Na ocasião, ele anexou um estudo elaborado pela Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados que propõe uma alíquota menor, mas que não prejudique as contas públicas e ao mesmo tempo possa fomentar a produção nacional de videogames, o que inclui os feitos por empresas estrangeiras no Brasil.

Após a afirmação dada pelo Bolsonaro, Kataguiri escreveu nas redes sociais que 30% "não basta". "A política de sobretaxa nos consoles não se justifica, pelo contrário, só tem afastado empresas que geravam milhares de empregos no país, como Sony e Nintendo", disse.

Últimas