Bolsonaro demite ministro Gustavo Bebianno

Permanência de ministro ficou insustentável com o caso dos ''laranjas'' na campanha eleitoral e ser chamado de mentiroso por filho de Bolsonaro

  • R7 Planalto | Paulo Lima, do R7

Gustavo Bebianno foi demitido por  Bolsonaro

Gustavo Bebianno foi demitido por Bolsonaro

Sergio Moraes/Reuters - 18.10.2018

O presidente Jair Bolsonaro demitiu na tarde desta segunda-feira (18) o ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno. O cargo será ocupado pelo general Floriano Peixoto.

Mais cedo, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, já havia antecipado que a exoneração não passaria desta segunda-feira.

Durante o fim de semana, Bolsonaro e auxiliares tiveram reuniões para encontrar uma forma "honrosa" de demitir o ministro.

Bebianno vem sendo acusado de supostas irregularidades nas campanhas eleitorais do PSL ocorridas na época em que ele presidia o partido, que também tem o presidente Bolsonaro como filiado. A crise cresceu quando o vereador Carlos Bolsonaro, um dos filhos do presidente, chamou Bebianno de mentiroso, declaração que foi reforçada pelo próprio presidente.

Nesta segunda-feira, Gustavo Bebianno, disse que está recebendo ameaças pelo WhatsApp. Sem dar detalhes, afirmou que já identificou algumas pessoas e que vai tomar providências.

Leia a nota da Presidência sobre a exoneração de Bebianno:

Nota à Imprensa

O Excelentíssimo Senhor Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, decidiu exonerar, nesta data, do cargo de Ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, o Senhor Gustavo Bebianno Rocha.

O Senhor Presidente da República agradece sua dedicação à frente da pasta e deseja sucesso na nova caminhada.

Brasília, 18 de fevereiro de 2019

Após o anúncio da demissão, Bolsonaro divulgou vídeo com elogios a Gustavo Bebianno.

Na última quarta-feira (13), em entrevista ao Jornal da Record, quando recebeu alta do Hospital Albert Einstein, Bolsonaro disse que Gustavo Bebianno poderia "voltar às origens".

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas