Bolsonaro diz que ainda não há comprovação sobre cloroquina

"Contudo, estamos em guerra: pior do que ser derrotado é a vergonha de não ter lutado", escreveu o presidente em seu perfil no Twitter nesta quarta (20)

Na imagem, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em Brasília

Na imagem, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em Brasília

Marcos Corrêa/PR - 30.04.2020

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reconheceu nesta quarta-feira (20) que não há comprovação científica da cloroquina no tratamento de pessoas com covid-19, mas que o medicamento está sendo “monitorado e usado no Brasil e no mundo”.

“Estamos em guerra. Pior do que ser derrotado é a vergonha de não ter lutado”, escreveu Bolsonaro em seu perfil no Twitter.

Bolsonaro defende, desde o início, o uso da cloroquina para pacientes com covid-19. Após sua determinação, o Ministério da Saúde divulgou também nesta quarta um documento em que amplia o uso do medicamento.

As novas regras preveem o uso da cloroquina com precaução em portadores de doenças cardíacas, hepáticas ou renais, hematoporfiria e doenças mentais e evitada em associação com os seguintes remédios: clorpromazina, clindamicina, estreptomicina, gentamicina, heparina, indometacina, tiroxina, isoniazida digitálicos.

Leia mais: Paciente de covid-19 vai precisar autorizar uso de cloroquina

No entanto, o medicamento, segundo o texto, não é indicado para grávidas e para pessoas com retinopatia/maculopatia secundária ao uso do fármaco já diagnosticada, hipersensibilidade ao fármaco e miastenia grave.

O documento aponta ainda que os profissionais da saúde devem priorizar o uso de hidroxicloroquina em crianças, e não da cloroquina, devido ao risco de toxicidade do segundo remédio.

Veja também: Novas regras contraindicam uso de cloroquina por grávidas com covid

"Apesar de serem medicações utilizadas em diversos protocolos e de possuírem atividade in vitro demonstrada contra o coronavírus, ainda não há meta-análises de ensaios clinicos multicêntricos, controlados, cegos e randomizados que comprovem o benefício inequívoco dessas medicações para o tratamento da COVID-19. Assim, fica a critério do médico a prescrição, sendo necessária também a vontade declarada do paciente", diz o documento.