Bolsonaro nega interferência na PF e diz que quis acesso à inteligência

Presidente argumentou em sua conta no Twitter que obtenção de conhecimento de inteligência da Polícia Federal é permitido por lei

Na imagem, o presidente  Jair Bolsonaro

Na imagem, o presidente Jair Bolsonaro

Ueslei Marcelino/Reuters - 20 04.2020

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) negou no final da tarde desta segunda-feira (27) interferência na Polícia Federal e disse que o acesso a conhecimento de inteligência produzido pela instituição, o que lhe foi "dificultado", é permitido por lei.

Em sua conta no Twitter, Bolsonaro disse que a Polícia Federal, por força da Lei 9.883/1999 e Decretos 4.386/2002 e 9.881/2019, “é parte do Sistema Brasileiro de Inteligência, que alimenta com informações o presidente da República para tomada de decisões estratégicas”.

Leia mais: 'Não vamos permitir interferências políticas': policiais federais reagem a declarações de Moro

“Uma coisa é pedir informações sobre inquéritos sigilosos em curso (o que nunca houve) e outra coisa ter acesso a conhecimento de inteligência produzido nos termos da lei (o que sempre me foi dificultado)”, acrescentou.

A afirmação do presidente é mais uma crítica ao conflito exposto por Sergio Moro, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública. Durante o anúncio de demissão, o ex-juiz da Lava Jato afirmou que havia interferência política na Polícia Federal. A instituição era comandada por Maurício Valeixo, braço-direito de Moro.