Bolsonaro quis passar mensagem de que Brasil terá economia liberal

Avaliação é do professor de Economia da FAAP, Paulo Dutra. Presidente discursou na abertura do Fórum Economia Mundial, em Davos

Dutra alerta para a necessidade da reforma da Previdência

Dutra alerta para a necessidade da reforma da Previdência

Arquivo pessoal

Para o coordenador do curso de Economia da FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), Paulo Dutra, o presidente Jair Bolsonaro acertou no tom do discurso na abertura do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

Na avaliação de Dutra, que ressalta não ser eleitor de Bolsonaro, o objetivo do presidente – tendo os ministros Paulo Guedes e Sérgio Moro com avalistas – foi o de passar a mensagem de que o Brasil está partindo para uma economia liberal, como maior abertura, mas sem afetar a indústria nacional.

A expectativa agora, segundo o professor Paulo Dutra, é para a posse do novo Congresso e a apresentação por parte do governo da proposta de reforma da Previdência.

''A situação dos Estados é crítica, Goiás acabou de decretar calamidade. Se a reforma da Previdência não for aprovada não haverá dinheiro para pagar os benefícios''. Dutra também diz que diante do envelhecimento da população, a queda na taxa de natalidade, o aumento da expectativa de vida e as transformações no mercado de trabalho não basta o simples aumento da idade mínima." A mudança no sistema de aposentadoria precisar ser mais profunda, diz o professor'’.

Paulo Dutra também afirma que com a reforma da Previdência o governo conseguirá reduzir o déficit nas contas públicas, com isso a taxa de juros será melhor e haverá condições de usar os recursos para retomada dos investimentos que o Brasil precisa.