Novo Coronavírus

R7 Planalto Câmara aprova em primeiro turno PEC que recria auxílio emergencial

Câmara aprova em primeiro turno PEC que recria auxílio emergencial

Votação do segundo turno ficou para esta quinta-feira (11), às 10h. Programa deve beneficiar cerca de 40 milhões de brasileiros

  • R7 Planalto | Plínio Aguiar, do R7

PEC Emergencial autoriza retomada do auxílio

PEC Emergencial autoriza retomada do auxílio

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta quinta-feira (11), em primeiro turno, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) Emergencial, que autoriza a retomada do auxílio emergencial e congela gastos públicos.

A votação do segundo turno ficou para hoje, às 10h, em sessão extraordinária. A intenção do presidente Arthur Lira (PP-AL) era concluir todo o processo durante a madrugada, mas não foi possível.  

Durante a sessão, os deputados analisaram destaques apresentados ao texto. A maior parte deles, de partidos da oposição, pretende diminuir as restrições fiscais impostas e retirar o limite de R$ 44 bilhões para pagar o auxílio.

O primeiro destaque, feito pelo PSB, tinha como objetivo garantir a aplicação de fundos fora do teto de gastos, mas foi rejeitado. Dessa forma, fica mantido o texto original do Senado, que desvincula os recursos dos fundos no caso de crise fiscal.

O PDT apresentou o segundo destaque, que foi aprovado pelos deputados, e mantém os recursos de fundo para Receita Federal, que seriam desvinculados no caso de crise fiscal. Por se tratar de uma emenda que suprimia o texto, a PEC não precisa de voltar para a análise dos senadores.

Os deputados rejeitaram, também, destaque do PT e manteve no texto as proibições que estados e municípios poderão adotar se sua despesa corrente chegar a 95% da receita corrente. Entre essas vedações estão a criação de cargo que implique aumento de despesa; realização de concurso público para vagas novas; e adoção de medida que implique reajuste de despesa obrigatória acima da variação da inflação.

A rejeição ao destaque ocorreu após acordo, com vários partidos da base aliada, que prevê a votação, no segundo turno, de outro destaque, que retirará a proibição de promoção funcional ou progressão de carreira. A emenda contemplará ainda servidores da União, inclusive no caso de decretar estado de calamidade pública.

Das 27 unidades da Federação, apenas Rio Grande do Sul (98,27%), Minas Gerais (96,9%) e Rio Grande do Norte (95,7%) atingem esse limite atualmente.

PEC Emergencial
A PEC Emergencial permite que as despesas com o auxílio não fiquem sujeitas as regras fiscais. A previsão é de que cerca de 40 milhões de brasileiros devem ser contemplados com quatro parcelas até junho. O valor não consta na matéria, mas deve ficar entre R$ 250 a R$ 300.

O texto prevê, como contrapartida, a criação de regras para o controle das contas públicas. Os gatilhos vão desde a criação de despesas obrigatórios a barreiras de concursos públicos e reajuste salarial de servidores.

*Com informações da Agência Câmara

Últimas