Novo Coronavírus

R7 Planalto Colégios de ricos recomendam quarentena por arrogância

Colégios de ricos recomendam quarentena por arrogância

Descumprindo recomendação do Ministério da Saúde e ignorando a opinião de especialistas, instituições de ponta espalham pânico e ignorância 

  • R7 Planalto | Marco Antonio Araujo, do R7

O Covid-19 no Brasil ainda não exige medidas como quarentenas "voluntárias"

O Covid-19 no Brasil ainda não exige medidas como quarentenas "voluntárias"

Reuters

Quando escolas recomendam quarentena a alunos que tenham viajado recentemente para países em que houve casos de Covid-19, é algo espantoso. Primeiro, por essa “recomendação” vir de colégios particulares de ponta, com mensalidades na casa dos R$ 6 mil a R$ 10 mil. Era de se imaginar que são instituições dirigidas por profissionais altamente esclarecidos. Pois foram reprovados no quesito bom senso.

Esse cuidado por parte dos educadores vip não tem lógica científica e é, na prática, inútil, além de alastrar pânico e estigmas inaceitáveis. Talvez os que tomaram essa decisão quisessem mostrar aos abonados pais que estavam atentos à epidemia (que, a rigor, ainda não chegou ao Brasil) e são CEOs qualificados para tratar da saúde pública das nossas elites – o que é não só uma contradição, mas escárnio.

Esse isolamento de estudantes, para início de conversa, descumpre claríssima orientação do Ministério da Saúde. São uns subversivos, portanto. Não bastasse, a medida também é criticada por renomados infectologistas, de forma unânime.

Por que agem assim? Não podemos ignorar uma ponta de arrogância e complexo de superioridade. Oh, vejam, pobres mortais: nossos alunos pertencem ao primeiro mundo e viajam para longínquos continentes em suas férias. É nóis. Cafona.

Com a vergonha a que esses nichos de excelência estão sendo expostos pelas autoridades e meios de comunicação, se não tiverem a humildade de reconhecer que cometeram excessos, pagaram mico e deram péssimo exemplo, vai sempre restar a opção de começarem a ministrar terraplanismo. De ponta, claro.

Últimas