R7 Planalto Com razão, Ciro bate em Lula, mas se mostra oportunista

Com razão, Ciro bate em Lula, mas se mostra oportunista

O que move o ex-candidato que pregou a frente de esquerda e se empenhou pelo voto petista até o último segundo do primeiro turno de 2018?

Ciro Gomes é virtual candidato à presidência da República em 2022: e até lá?

Ciro Gomes é virtual candidato à presidência da República em 2022: e até lá?

Ueslei Marcelino/rEUTERS - 1º.07.2018

A próxima vez que Ciro Gomes negar ser uma pessoa destemperada, ignore. Ele é, pronto. Mas se o pedetista estiver falando de Luiz Inácio Lula da Silva, preste atenção: é bem provável que o que está sendo dito foi remoído durante os últimos cinco ou dez anos. Vale a pena ouvir, mesmo que seja estridente.

Se ainda restava alguma dúvida, em recente entrevista, o ex-ministro enterrou qualquer possibilidade de vir a ser tratado como amigo (ou mesmo aliado) do ex-presidente. Não falta quem veja nas duras palavras de Ciro pontas de inveja e um iceberg até aqui de mágoa.

Bom, se havia raiva, agora empatou. Lula não tem mais como ignorar ou minimizar as declarações do homem que o coloca como farsante, cúmplice de corrupção, patrocinador de fraude eleitoral que trata o povo como ignorante e idiota, a quem cabe manipular, mentir e enganar. Para Ciro, Lula é o protagonista de uma tragédia movida apenas por um projeto de poder.

"Ele não aprendeu rigorosamente nada (na cadeia) ao se colocar como candidato sem poder ser". Ufa. Desde que saiu da prisão, não houve porradaria em Lula mais bem dada do que essa. Só não é um tiro de misericórdia porque todos sabemos que a metralhadora giratória de Ciro não possui trava nem alvo fixo.

Resta aos que assistem, da geral ou da arquibancada, se perguntar o que move o terceiro colocado na corrida presidencial de 2018. O que foi que deu nele, que pregava a frente de esquerda e se empenhou pelo voto de petistas até o último segundo do primeiro turno? O que o conduz, além do oportunismo que só enxerga nos adversários?

Que Ciro Gomes busque pregar em novas freguesias, direito dele. Pagamos internet e defendemos democracia para isso. Parece que o produto que ele oferece é o mesmo do ano passado, mas com um agravante: a embalagem é aquela velha, de tons grosseiros, a imagem destemperada que as urnas insistem em colocar na prateleira de baixo.