CPI da Covid

R7 Planalto Covaxin: vice diz que CPI pedirá segurança para deputado 

Covaxin: vice diz que CPI pedirá segurança para deputado 

Irmão de Luis Miranda teria sofrido pressões anormais para superar entraves na compra do imunizante contra covid-19

Na imagem, deputado Luis Miranda (DEM-DF)

Na imagem, deputado Luis Miranda (DEM-DF)

Reprodução Câmara dos Deputados

O vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou nesta quarta-feira (23) que o colegiado solicitará segurança para o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), seu irmão e aos demais familiares.

"As informações que o deputado está declinando à imprensa e que trará a esta CPI são de extremo interesse público. Sua vida e de sua família precisam estar resguardadas", afirmou Rodrigues.

Miranda afirmou ao R7 Planalto ter alertado, em 20 de março, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre indícios de irregularidade na negociação, feita pelo Ministério da Saúde, para a compra da vacina indiana contra a covid-19 Covaxin.

O parlamentar é irmão de Luís Ricardo Fernandes Miranda, chefe da divisão de importação do Ministério da Saúde, que relatou ter sofrido pressões anormais por meio de mensagens de texto, e-mails, telefonemas, pedidos de reuniões, inclusive fora do expediente, para superar entraves na compra do imunizante.

A informação consta em relato de Luís Miranda ao MPF (Ministério Público Federal), que em despacho destacou que o contrato entre a Precisa, que representa no país o laboratório indiano Bharat Biotech, fabricante da Covaxin, e o Ministério da Saúde para a entrega de 20 milhões de doses tem valor total de R$ 1,6 bilhão, "tendo sido a dose negociada por 15 dólares, preço superior ao da negociação de outras vacinas no mercado internacional, a exemplo da vacina da Pfizer".

O deputado e seu irmão, funcionário do ministério, vão depor à CPI nesta sexta-feira (25). 

Últimas