R7 Planalto Déficit primário só voltaria ao positivo pós 2030, prevê IFI

Déficit primário só voltaria ao positivo pós 2030, prevê IFI

Previsão foi feita pelo economista Felipe Salto durante audiência na comissão mista que acompanha medidas relacionadas ao novo coronavírus

Economista Felipe Salto

Economista Felipe Salto

Reprodução IFI

Em decorrência da pandemia do novo coronavírus, o déficit primário do Brasil deverá totalizar R$ 711,4 bilhões neste ano e só voltaria ao positivo pós 2030, segundo estimativa do IFI (Instituição Fiscal Independente), órgão do Senado Federal.

A dívida pública subirá ao menos 10 pontos do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020, “mas poderá crescer ainda mais, a depender das políticas que se adotarem até o fim do ano e do ritmo de venda de reservas”. O cenário base também prevê que até 2030 a dívida bruta terá chegado a 100,2%.

Leia mais: Equipe econômica revisa déficit primário em 2020 a R$419,2 bi por gastos com coronavírus

O órgão aponta, ainda, que regras fiscais (teto, principalmente), possível aumento de carga tributária e retomada da discussão sobre o gasto obrigatório serão discussões importantes num mundo pós-pandemia.

As previsões foram apresentadas pelo economista Felipe Salto, do IFI, na comissão mista que acompanha as medidas de enfrentamento ao novo coronavírus nesta segunda-feira (25).

Últimas