R7 Planalto Em discurso, Lira defende a Câmara do "coletivo"

Em discurso, Lira defende a Câmara do "coletivo"

 A Câmara não pode ser do eu, e sim do nós. Por acaso nessa Casa há um trono? Disse o candidato apoiado por Bolsonaro 

  • R7 Planalto | Mariana Londres, de Brasília

Em discurso, Lira defende a Câmara do "coletivo"

Em discurso, Lira defende a Câmara do "coletivo"

REUTERS/Bruno Kelly

Em discurso na tribuna da Câmara, o deputado Arthur Lira (PP-AL), favorito à presidência da Câmara, defendeu a coletividade na Câmara: 

"Somos representantes de mais de 51 milhões de brasileiros. Tendo em vista a representatividade desse plenário, coloquei desde o início a nova funcionalidade dessa Casa. 51 milhões não podem ser da vontade de um só deputado. A Câmara não pode ser do eu, e sim do nós. Por acaso nessa Casa há um trono? Tudo nessa Casa é coletivo. Em respeito à colegialidade temos que dar voz a todas as deputadas e deputados. Temos que devolver o plenário da Câmara dos Deputados. Ao presidente não cabe falar, cabe ouvir, de forma neutra, menos eu e mais nós. Não é à toa que o regimento definiu que quem ocupa a presidência não pode votar. A presidência não pode falar pela Casa".

Cada um dos nove candidatos à presidência da Casa tem dez minutos para falar. Alexandre Frota (PSDB-SP) foi o primeiro e retirou a candidatura em apoio à Baleia Rossi (MDB-SP). Também são candidatos: Marcel van Hatten (Novo-RS)  e Luiza Erundina (Psol-SP), pelos partidos, e os candidatos independetes André Janones (Avante-MG), General Petternelli (PSL-SP), Fábio Ramalho (MDB-MG) e Kim Kataguiri (DEM-SP).

Últimas