Em meio à crise política, partidos mudam de nome para atrair eleitor

Ao todo, 10 legendas já não contam mais com a palavra "partido" em seus nomes; algumas novas já surgem sem o famoso 'P', outros o retiraram

10 partidos já não contam com a palavra 'partido' no nome

10 partidos já não contam com a palavra 'partido' no nome

Ueslei Marcelino/Reuters - 20.09.2017

Dos 33 partidos registrados no TSE, 10 já não contam com o a designação inicial "partido", obrigatória desde a reforma partidária de 1980, que acabou com o bipartidarismo no Brasil, até pouco tempo atrás, quando uma lei derrubou esta determinação.

Com a crise política, que fez com que muitos eleitores perdessem a confiança nas legendas tradicionais, a palavra "partido" virou o principal alvo na modernização procurada pelas siglas. O primeiro a trocar de nome foi o atual Democratas, que, em 2007, deixou de ser PFL. De lá para cá outros sete mudaram de nome, dois foram criados já sem a alcunha, enquanto um, nascido como Partido Ecológico Nacional em 2012, trocou de nome para Patriota, em 2018, quando lançou Cabo Daciolo como candidato à presidência da República.

Enquanto uma das mais tradicionais agremiações do Brasil deixou apenas de lado o "P" e voltou a ser apenas MDB (Movimento Democrático Brasileiro), outras preferiram uma mudança total, levando alguns dos seus ideais para o nome da sigla, tais quais o Avante (antigo PTB), Cidadania (PPS), Democracia Cristã (PSDC) Podemos (PTN), Progressistas (PP) e o mais recente, Republicanos (PRB).

Solidariedade e Rede Sustentabilidade são os outros dois partidos que fecham a lista. Criados em 2013 e 2015, respectivamente, os dois já nasceram com nomes modernizados.