R7 Planalto Ex-atleta, ministro da Educação defende esporte na Universidade

Ex-atleta, ministro da Educação defende esporte na Universidade

Ricardo Vélez Rodríguez disse nesta terça que foi atleta de ponta do ciclismo. Ele defende projeto de estímulo ao esporte nas instituições brasileiras

Ex-atleta, ministro da Educação defende esporte na Universidade

Ex-atleta, ministro da Educação defende esporte na Universidade

Ex-atleta, ministro da Educação defende esporte na Universidade

Marcello Casal jr/Agência Brasil - 02.01.2019

O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, disse nesta terça-feira (26) que já foi atleta de ponta do ciclismo na Colômbia, tendo, inclusive sido convidado a participar de jogos Olímpicos pelo País. A fala do ministro foi em resposta a questionamentos da senadora Leila Barros (PSB-DF), a Leila do Vôlei, que cobrou mais esporte na educação brasileira. 

— Vim fazer um mestrado no Brasil e na Colômbia eu tinha patrocínio da minha universidade. Conversei com a PUC do Rio e falaram que aqui não tinha isso. Foi uma desilusão e vi que aqui não era importante a prática do esporte tão marcante quanto no meu país de origem. E é uma falha.

O ministro diz está em estudo na pasta um projeto de incentivo à pratica de esporte nas instituições de ensino, inclusive para o esporte de alto rendimento em universidades. 

— Já conversei com o ministro Terra [Osmar Terra, ministro da Cidadania] sobre isso para ver como podemos fazer ações transversais de incentivo à prática de esporte inclusive de alto rendimento na universidade. Porque isso traz um benefício incalculável para os alunos e para a comunidade universitária. Precisamos trazer essa prática esportiva para o interior das nossas universidades. São poucas as que contam com parque esportivo dentro da universidade. 

"Não há militarismo, há respeito", diz ministro sobre escolas militares

Vélez Rodríguez foi alvo de críticas nesta terça-feira (26) após pedir em email que as escolas filmassem os alunos cantando o Hino Nacional, o que não é permitido pelo Estatuto da Criança e do Adolescente a não ser que haja autorização expressa dos pais. O e-mail continha uma mensagem do ministro que deveria ser lida nas escolas. A mensagem continha o slogan do governo Bolsonaro.

O Ministério da Educação (MEC) mandou o e-mail na segunda-feira (25) para todas as escolas do país. Os vídeos deveriam ser enviados de volta ao governo. Após a polêmica, nesta terça, o ministério voltou atrás e disse que enviará nova carta às escolas. O ministro foi questionado na Comissão do Senado sobre o assunto a admitiu o erro.