CPI da Covid

R7 Planalto Ex-marqueteiro de Pazuello pede que CPI não vote quebra de sigilo

Ex-marqueteiro de Pazuello pede que CPI não vote quebra de sigilo

Requerimento estava na pauta desta quarta-feira (10), mas não foi apreciado. Ex-assessor de ministro foi convocado para depor

  • R7 Planalto | Plínio Aguiar, do R7

Na imagem, Markinhos Show e Eduardo Pazuello

Na imagem, Markinhos Show e Eduardo Pazuello

Reprodução Twitter

Ex-marqueteiro de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde, Marcos Eraldo Arnoud Marques, mais conhecido como Markinhos Show, solicitou à CPI da Covid que não votasse a possível quebra de seus sigilos antes de seu depoimento.

"Observa-se que o pedido de quebra de sigilo não guarda justo motivo para ser apreciado neste momento, antes de minha oitiva, sendo certo que comparecerei espontaneamente aos atos para quais for convocado. A agressiva e invasiva quebra de sigilo sem que antes haja a CPI me ouvido e sem motivos específicos (não genéricos), configura excessiva medida neste momento", afirma Show.

O requerimento foi protocolado nesta quarta-feira (9) e a possível quebra de sigilo estava na pauta desta quinta-feira (10), mas não foi apreciada. O ex-assessor de Pazuello, contudo, foi convocado para depor aos membros da comissão. Não há, ainda, data para o depoimento.

Pazuello formalizou no dia 22 de janeiro de 2021 a entrada de Markinhos Show no Ministério da Saúde. O assessor, que tinha um salário de R$ 13.623, ficou cerca de dois meses no cargo. Em seu site, "Venda para o cérebro", Markinhos se define como "palestrante motivacional, master coach analista em neuromarketing, especialista em marketing, SEO, hipnólogo, mentalista, practitioner em PNL, músico, empreendedor e especialista em marketing político."

Últimas