R7 Planalto FGV irá apurar suspeita de plágio em dissertação do novo titular do MEC

FGV irá apurar suspeita de plágio em dissertação do novo titular do MEC

Carlos Decotelli, que assumiu comando do ministério na quinta-feira (25), cursou mestrado em administração na universidade

  • R7 Planalto | Plínio Aguiar, do R7

Na imagem, o novo ministro da Educação, Alberto Decotelli

Na imagem, o novo ministro da Educação, Alberto Decotelli

Marcos Corrêa/PR - 25.06.2020

A FGV (Fundação Getúlio Vargas) anunciou neste sábado (27) que irá apurar a suspeita de que o novo ministro da Educação, Carlos Decotelli, tenha cometido plágio em trabalho de dissertação para a conclusão do curso de mestrado em administração na instituição.

“A Fundação Getúlio Vargas vai apurar os fatos referentes à denúncia de plágio na dissertação do ministro Carlos Alberto Decotelli. A FGV está localizando o professor orientador da dissertação para que ele possa prestar informações acerca do assunto”, diz em nota.

Leia mais: Reitor diz que ministro da Educação não tem doutorado em Rosário

Decotelli assumiu o comando do Ministério da Educação na última quinta-feira (25). Ao anunciar o novo ministro, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que ele é bacharel em ciências econômicas pela UERJ, mestre pela FGV, doutor pela Universidade de Rosário e pós-doutor pela Universidade de Wuppertal.

O ministro apresenta, em seu currículo, o título, obtido em 2008, de mestrado profissional em administração pela FGV, com a dissertação 'Banrisul do Proes ao IPO com governança corporativa'.

Veja também: Oficial de reserva, novo titular do MEC é economista com perfil técnico

No entanto, há a suspeita de trechos idênticos aos de um relatório da Comissão de Valores Mobiliários, ligado ao Ministério da Economia. Por tal razão, a FGV irá abrir sindicância para apurar os fatos expostos. 

Procurado, o MEC informou que o ministro refuta as alegações de dolo, informa que o trabalho foi aprovado pela instituição de ensino e que procurou creditar todos os pesquisadores e autores que serviram de referência e cujo conhecimento contribuiu sobremaneira para enriquecer seu trabalho.

"O ministro destaca que, caso tenha cometido quaisquer omissões, estas se deveram a falhas técnicas ou metodológicas. Informa também que, ainda assim, por respeito ao direito intelectual dos autores e pesquisadores citados, revisará seu trabalho e que, caso sejam identificadas omissões, procurará viabilizar junto à FGV uma solução para promover as devidas correções", acrescenta.

Últimas