FGV nega que Carlos Decotelli tenha sido professor da fundação

Nomeado para o MEC diz que foi docente entre 2001 e 2018. Inconsistências registradas em seu currículo ameaçam sua permanência no cargo

Carlos Decotelli foi nomeado ministro da Educação

Carlos Decotelli foi nomeado ministro da Educação

Marcello Casal Jr/Agência Brasil - 03.07.2019

A FGV (Fundação Getúlio Vargas) negou nesta terça-feira (30) que Carlos Decotelli, nomeado para o MEC (Ministério da Educação), tenha sido professor das escolas da instituição.

Em seu currículo, Decotelli informa ter sido professor na FGV entre 2001 e 2018. Não há informações sobre o vínculo do nomeado para o MEC com a instituição em 2019, no entanto, no ano seguinte, registrou que foi coordenador do MBA da fundação.

Leia mais: Decotelli ganha sobrevida no MEC, mas nomeação não está garantida

A informação foi desmentida pela FGV. Em nota, informou que Decotteli atuou "apenas nos cursos de educação continuada, nos programas de formação de executivos e não como professor de qualquer das escolas da Fundação". "Da mesma forma, não foi pesquisador da FGV, tampouco teve pesquisa financiada pela instituição", finaliza.

As inconsistências registradas em seu currículo ameaçam a permanência de Decotelli no cargo. Sua posse, prevista para esta terça-feira (30), está incerta. Numa tentativa de arrefecer os ânimos, o nomeado para o MEC irá se encontrar com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Veja também: Procuradoria junto ao TCU quer investigar currículo de Decotelli

Na noite desta segunda-feira (29), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) escreveu em redes sociais que Decotelli vem enfrentando todas as formas de deslegitimação para o ministério por inadequações curriculares. "O sr. Decotelli não pretende ser um problema para a sua pasta, bem como, está ciente de seu equívoco", disse.