R7 Planalto Governo estuda nomes para a liderança no Senado; veja quais

Governo estuda nomes para a liderança no Senado; veja quais

Planalto estuda substitutos para Bezerra: Eduardo Gomes, Marcos Rogério, Nelsinho Trad e Lucas Barreto estão entre eles

  • R7 Planalto | Sarah Teófilo, Mariana Londres e Renata Varandas, da Record TV

Bezerra (esquerda) entregou a liderança a Bolsonaro

Bezerra (esquerda) entregou a liderança a Bolsonaro

DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO/12/08/2019

Apesar de o presidente Bolsonaro ter dito a interlocutores que pretende anunciar o novo líder do governo no Senado apenas em 2022, o Palácio do Planalto já estuda nomes para substituir Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). Discordando do presidente, alguns conselheiros defendem o anúncio ainda neste ano.

Bezerra Coelho entregou o cargo após ter tido apenas 7 votos na indicação a ministro do TCU (Tribunal de Contas da União), associando a derrota à falta de apoio do governo na votação. 

Um dos nomes de preferência do governo é o senador Eduardo Gomes (MDB-TO), que já exerce a liderança do governo no Congresso. Pesam a favor de Gomes o fato de já ser líder, de ser do mesmo partido de Bezerra, a maior bancada do Senado, e de estar ainda na primeira metade do mandato no Senado, sem pretensões eleitorais em 2022. 

Outros nomes que estão sendo considerados pelo Planalto são os senadores Marcos Rogério (DEM-RO), Nelsinho Trad (PSD-MS) e Lucas Barreto (PSD-AP).

Marcos Rogério teve uma atuação importante em defesa do governo na CPI da Pandemia e vai se filiar ao PL, partido do presidente, e pode disputar o governo de Rondônia em 2022. O único problema para assumir a liderança no Senado é se realmente ele for disputar eleições. O senador ainda está em meio de mandato e é bem avaliado pelo Planalto, e a interlocutores sempre diz que "está à disposição do presidente". 

O nome de Nelsinho Trad foi aventado dentro do Planalto, mas ainda não houve conversa formal sobre o assunto nem sondagem. No Senado, é o líder do PSD, partido do presidente Rodrigo Pacheco e a segunda maior bancada da Casa. Pelo trânsito que tem no governo, já foi sondado para ser ministro de Bolsonaro. 

Lucas Barreto (PSD-AP) está no primeiro mandado no Senado. Ele elogiou publicamente André Mendonça durante a sabatina para o STF (Supremo Tribunal Federal) e é a favor de maior acesso às armas. 

Pelo Senado, surgiu ainda o nome de Jorginho Mello (PP-SC). O senador é do partido do presidente Bolsonaro. A avaliação de pessoas próximas a ele é que seria um bom cargo para ocupar às vésperas de disputar o governo de Santa Catarina, um estado bolsonarista. Dentro do próprio Palácio, no entanto, a avaliação é que o cargo de líder exige ampla dedicação, e que Jorginho não conseguiria, tendo em vista que já se dedica às eleições estaduais do próximo ano.

Outro nome cotado nas conversas do Senado é Márcio Bittar (PSL-AC). Ele tem uma atuação relevante no Senado e simpatia do Planalto. Foi relator do Orçamento de 2021 e é o relator do projeto de desestatização dos Correios. 

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas