Investigação no STF não impede que Weintraub assuma cargo no exterior

O ministro da Educação, que deixa o governo para cargo no Banco Mundial, é investigado e não denunciado no STF e pode deixar o País

Na imagem, Abraham Weintraub

Na imagem, Abraham Weintraub

Marcos Corrêa/PR - 04.02.2020

Abraham Weintraub é investigado no inquérito das Fake News. Nesta semana, o plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu, por 9 votos a 1, mantê-lo na investigação ao julgar um pedido de habeas corpus do ministro da Educação (Bolsonaro já confirmou que ele irá deixar o cargo mas a exoneração ainda não foi publicada em Diário Oficial). 

Apesar de ser investigado pela Suprema Corte, Weintraub pode assumir cargo no exterior. Ele foi indicado pelo Brasil para a direção do Banco Mundial. A indicação ainda precisa ser aprovada por países membros liderados pelo Brasil. 

De acordo com fontes ouvidas pelo R7 Planalto, o fato de Weintraub ser investigado não o impede de asssumir cargo no exterior. Ele só teria alguma restrição de sair do país se tivesse sido denunciado ou se o passaporte tivesse sido apreendido ou qualquer outra medida nesse sentido tivesse sido tomada.

Já há um pedido, por parte do senador Fabiano Contarato (Rede-ES), de apreensão do passaporte de Weintraub.

O cargo que Weintraub deve assumir no Banco Mundial não tem foro privilegiado por prerrogativa de função e com isso há dúvidas se o caso dele cairia para instâncias inferiores.