R7 Planalto Maia defende reunião entre Poderes para selar um novo pacto 

Maia defende reunião entre Poderes para selar um novo pacto 

Novo acordo seria para construir uma agenda comum de recuperação econômica do País após pandemia e para evitar saída de investidores

Presidente dos Poderes em reunião conjunta em maio de 2019

Presidente dos Poderes em reunião conjunta em maio de 2019

Marcos Correa/Presidência da República

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nesta terça-feira (23) em videoconferência promovida pela Câmara de Comércio França-Brasil, que o governo federal convoque uma reunião com representantes dos Três Poderes para reduzir os conflitos institucionais e fazer uma pactuação. Ele cobrou do governo federal uma agenda para o período pós-pandemia. 

A pacificação entre os Poderes e a defesa do meio ambiente seriam sinalizações importantes para não afastar investidores. 

Um pacto entre os Poderes já foi tentado em maio do ano passado, com reuniões e sinalizações de objetivos comuns, mas foi sendo abandonado com o aumento da tensão entre os Poderes, especialmente nos últimos meses. 

Mais recursos

Para Maia, é importante que o Estado coloque mais recursos na Economia, respeitando, no entanto, o teto de gastos. 

Além da extensão do auxílio emergencial por mais alguns meses, Maia defende que o Estado garanta que os recursos às micro e pequenas empresas cheguem até elas, o que não está acontecendo. 

"Os bancos precisam emprestar com aval do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social)".

A questão mais grave e urgente das ações do combate à crise econômica decorrente da pandemia do novo coronavírus, para o presidente da Câmara, é a demora das medidas de fomento ao crédito a micro, pequenas e médias empresas para chegar efetivamente às empresas. Para ele, as medidas provisórias editadas pelo governo federal sobre o tema (944 e 975) serão aprimoradas no Congresso Nacional.

Reformas tributária e administrativa

Sobre as reformas estruturantes, Maia reiterou que a prioridade da Câmara dos Deputados será a retomada da tramitação da tributária.  Já para a administrativa o parlamente aguarda o envio do texto do governo, que, segundo Maia, só deve acontecer no ano que vem. 

Últimas