STF

R7 Planalto Moraes manda PF investigar venda de dados de ministros do STF

Moraes manda PF investigar venda de dados de ministros do STF

Informações sobre 11 magistrados, Bolsonaro, Maia e Alcolumbre, por exemplo, foram divulgadas após megavazamento

  • R7 Planalto | Plínio Aguiar, do R7 em Brasília

Ministro Alexandre de Moraes em sessão

Ministro Alexandre de Moraes em sessão

Rosinei Coutinho/SCO/STF (18/02/2020)

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou nesta quarta-feira (3) à PF (Polícia Federal) a abertura de inquérito para investigação de vazamento de informações de dados pessoais e sigilosos de ministros da Suprema Corte.

Dados de algumas das maiores autoridades do país estão à venda na internet após um megavazamento de informações de 223 milhões de CPFs, 40 milhões de CNPJs e 104 milhões de registros de veículos. Entre os afetados, estão o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ), o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) e 11 ministros do STF.

No despacho, Moraes determinou que o relatório elaborado por perito analisando a divulgação e que identifica endereços eletrônicos que estariam comercializando ilegalmente os dados seja autuado no STF como petição autonomia e sigilosa.

O processo será relatado no inquérito das fake news, em tramitação na Suprema Corte. Moraes afirma que a comercialização de informações e dados privados e sigilosos atinge diretamente a intimidade, a privacidade e segurança pessoal de seus integrantes.

Diante disso, a seu ver, "há a necessidade de fazer cessar lesão ou ameaça de lesão a direito, visando interromper o incentivo à quebra da normalidade institucional, concretizada por meio da divulgação e comercialização de dados privados e sigilosos de autoridades".

Últimas