STF

R7 Planalto Moraes mantém processo de impeachment de Witzel na Alerj

Moraes mantém processo de impeachment de Witzel na Alerj

Governador do Rio de Janeiro foi afastado do cargo nesta sexta-feira (28) após determinação do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça

  • R7 Planalto | Mariana Londres e Plínio Aguiar, do R7

Processo de impeachment contra Wilson Witzel (imagem) é mantido na Alerj

Processo de impeachment contra Wilson Witzel (imagem) é mantido na Alerj

Pilar Olivares/Reuters - 28.08.2020

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou nesta sexta-feira (28) a retomada do processo de impeachment do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afastado do cargo após determinação do ministro Benedito Gonçalves, do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

A decisão de Moraes revogou, portanto, decisão do presidente da Suprema Corte, ministro Dias Toffoli, que havia determinado que a Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) formasse uma comissão especial para conduzir o processo de impeachment.

Leia mais: STJ julgará afastamento de Wilson Witzel na próxima quarta

Na época, a decisão de Toffoli jogou o processo pelo afastamento de Witzel de volta à estaca zero. Agora, contudo, Moraes manteve o rito do impeachment ao afirmar que não houve irregularidade na formação da primeira comissão.

“Não me parece que o ato do presidente da Assembleia Legislativa tenha desrespeitado o texto constitucional ou mesmo a legislação federal, pois refletiu o consenso da Casa Parlamentar ao determinar que cada um dos partidos políticos, por meio de sua respectiva liderança, indicasse um representante, garantindo ampla participação da ‘maioria’ e da ‘minoria’ na Comissão Especial”, argumentou Moraes.

Veja também: 'O bicho tá pegando no Rio hoje', diz Bolsonaro sobre Witzel

“Basta verificar que não houve irresignação por parte de nenhum dos partidos políticos representados na Assembleia”, acrescenta.

O processo de impeachment de Witzel foi aberto pela Alerj no dia 10 de junho. Dos 70 parlamentares, 69 votaram a favor pela instauração do procedimento na Casa – não houve nenhuma manifestação contrária, apenas uma ausência.

O rito se baseia nos pedidos dos deputados estaduais Luiz Paulo e Lucinha, ambos do PSDB, fundamentados das denúncias referentes a supostos desvios por meio de contratos firmados com a Secretaria de Saúde.

Mais: MPF diz que escritório de Helena Witzel recebeu R$ 554 mil

O suposto desvio de verbas durante a pandemia do novo coronavírus foi a base também da determinação do ministro do STJ para o afastamento de Witzel do cargo por 180 dias. A decisão, monocrática, será analisada na próxima quarta-feira (02) pela Corte Especial do STJ.

"A defesa do governador Wilson Witzel recebe com grande surpresa a decisão, tomada de forma monocrática e com tamanha gravidade. Os advogados aguardam o acesso ao conteúdo da decisão para tomar as medidas cabíveis", afirmou em nota sobre o afastamento. 

A reportagem entrou em contato com o Governo do Rio de Janeiro sobre a decisão de Moraes e aguarda retorno. O espaço está aberto para manifestação.

Últimas