MP denuncia estudante picado por naja e outros três no DF

Promotoria diz que Justiça aceitou e os quatro são réus por associação criminosa, venda e criação de animais sem licença e maus-tratos

Na imagem, estudante Pedro Henrique Krambeck

Na imagem, estudante Pedro Henrique Krambeck

Reprodução/Record TV

O Ministério Público do Distrito Federal denunciou o estudante de veterinária Pedro Henrique Krambeck, picado por uma naja que criava de forma clandestina, e outros três por criação e venda ilegal de serpentes.

A Prodema (Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente e Patrimônio Cultural) denunciou, além de Krambeck, Rose Meire dos Santos Lehmkuhl, Clóvis Eduardo Condi e Gabriel Ribeiro de Moura.

Leia mais: Jovem picado por cobra naja terá de pagar multa de R$ 61 mil ao Ibama

Segundo o órgão, a Justiça aceitou a denúncia e os quatro são réus pelos crimes de associação criminosa, venda e criação de animais sem licença e maus-tratos contra animais.

Rose Meire, Clóvis e Gabriel também responderão por fraude processual e corrupção de menores. Individualmente, o estudante responde, ainda, por exercício ilegal da profissão, e Rose Meire, crime de dificultar ação fiscalizadora do poder público em questões ambientais.

Relembre: Estudante de veterinária picado por naja é preso pela polícia

O R7 ainda não localizou a defesa dos acusados. O espaço está aberto para manifestação.

Na imagem, naja que era criada de forma clandestina

Na imagem, naja que era criada de forma clandestina

Reprodução/Record TV

De acordo com o MP, as investigações mostraram que o estudante adquiria, criava em cativeiro e vendia serpentes de diversas espécies, tanto nativas quanto exóticas - os animais eram comprados de forma ilegal em São Paulo e na Bahia e mantidos no apartamento da família, no Guará, em condições inadequadas. "Ficavam confinados em embalagens plásticas reduzidas por longos períodos e alguns apresentavam lesões e deficiência nutricional", diz o órgão.

Veja também: Após picar estudante, naja deixa zoo do DF e vai para o Butantan (SP)

Rose Meire e Clóvis eram coniventes com os crimes e participavam ativamente da criação das serpentes e do cuidado com os ovos, aponta a denúncia. Gabriel foi o responsável por se desfazer dos animais quando surgiram suspeitas sobre o criatório ilegal - "ele recebeu de Clóvis a garantia de que não seria punido por soltar a cobra que havia picado Gabriel e que o animal seria recolhido pelo Batalhão de Polícia Militar Ambiental".