MST promove doutrinação de crianças

Vídeo com crianças louvando "a bandeira vermelhinha" e a "estrela de Che no céu" causa enorme repercussão nas redes sociais 

  • R7 Planalto | Do R7

O MST gera mal-estar ao "doutrinar" crianças

O MST gera mal-estar ao "doutrinar" crianças

Divulgação / MST

Um vídeo está causando enorme repercussão nas redes sociais e tem gerado um profundo mal-estar em todos que o assistem. Parece algum grupo muçulmano radical, como o Estado Islâmico (Daesh) ou Hezbollah. Ou mesmo guerrilheiros das Farc. Mas, na verdade, são brasileiros e não alcançaram a puberdade. Milhares de crianças estão sendo guiadas por adultos para militarem nas causas defendidas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais.   

Veja também: Major Olimpio diz que Bolsonaro vai ganhar no primeiro turno

Eles aparecem saindo em bandos organizados de ônibus para participarem de um evento que seria o 1º Encontro Nacional das Crianças Sem Terrinha ou "Movimento dos Sem Terrinha", que aconteceu, em Brasília, entre 23 e 26 de julho.

Fica evidente um processo de "doutrinação" infantil. As imagens são típicas do que acontece em regimes fechados como a Coreia do Norte e Cuba.

Leia mais: Eleitoras de Bolsonaro derrotaram artistas famosos

O professor de Direito e analista político Valdir Pucci disse que o MST sempre tentou forjar seus seguidores para a luta no campo ideológico.

— O vídeo não traz novidade em relação à prática política do MST, que sempre carregou muito na questão ideológica, seja nos seus discursos, seja nos próprios acampamentos, temos história de escolas dentro dos acampamentos onde há o discurso ideológico. Então tudo isso não é uma novidade. Mas acreditar que numa eventual vitória do PT isso seria uma prática em muitas escolas públicas, isso já faz parte do discurso fake news, a busca dos eleitores indecisos por meio do radicalismo, e da propagação de ideias que não correspondem com a verdade.

O cientista político Leonardo Barreto explica o que está por trás desse processo de "doutrinação" de milhares de crianças:

— Na verdade o que esses caras têm na cabeça é a teoria do Gramsci mesmo, que é até um pouco injustiçado, visto como um cara do mal, mas que era um analista social. Ele fala da importância da ideologia para a construção das crenças. Ele questionava porque as pessoas pobres, mesmo sendo muito pobres, continuam apoiando o sistema capitalista. Para ele, porque são treinadas para isso, para apoiar um sistema mesmo que estejam em desvantagem nesse sistema. E aí isso pode ser aplicado numa doutrina de luta política, que ele chama de guerra de posição, que é a questão da doutrinação. Que mais do que se apropriar dos meios de violência, dos recursos de violência do Estado prega que quem quer fazer a revolução tem que doutrinar as pessoas. E o primeiro caminho para isso é prover uma escola 'apropriada', de lavagem cerebral e construção de ideologia. O debate no final das contas é isso. Se as organizações têm ou não o direito de fazer currículos escolares com esse tipo de discurso tão pesado. Acho que esse é o debate que se tem que fazer. 

No vídeo fica claro que as crianças são submetidas ao culto à personalidade da era stalinista.O engajamento ideológico é absoluto, e "Che Guevara", que junto com Fidel Castro implantou a ditadura cubana, que já dura 59 anos, é reverenciado com músicas onde se canta em louvor à "nossa bandeira vermelhinha".

Isso mesmo.

Uma multidão de crianças cantando em homenagem "à nossa bandeira vermelhinha".

Veja o vídeo encontrado nas redes sociais:

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas