No balanço de 2019, a esquerda ladra e Bolsonaro passa

A facilidade com que a reforma da Previdência foi aprovada deveria ter acionado o alarme entre os que apostavam na iminente queda do presidente

Bolsonaro encerra primeiro ano de mandato olhando a oposição pelo retrovisor

Bolsonaro encerra primeiro ano de mandato olhando a oposição pelo retrovisor

Claudio Reis/R7

Na retrospectiva 2019, há um saldo inquestionável a favor do governo: a narrativa que prevaleceu foi a de Bolsonaro. A oposição ainda se mostra resistente a entender que está diante de um fenômeno inédito. E passou o ano repetindo ladainhas e ladrando cantilenas apocalípticas que simplesmente não funcionam mais.

Em resumo, a esquerda caiu na armadilha de ficar a reboque da agenda de costumes do presidente, sempre correndo atrás do factoide e do balão de ensaio do dia. Quando sobrava fôlego, voltava ao papel de vilã e insistia em agourar o país com expectativas pessimistas. Ninguém aguenta isso.

O cidadão não quer acreditar que tudo vai piorar — e, caso piore, vai ficar com birra é dos arautos do caos, os urubus.  Trabalhador precisa de políticos que apontem saídas e tornem as adversidades suportáveis. Alguém sabe qual a proposta de reforma administrativa ou tributária dos opositores? Pois então.

Enquanto Bolsonaro soltava bravatas e provocações e seus adversários rodopiavam, o Congresso foi lidando com as questões reais e dando suporte à governabilidade. A facilidade com que passou a reforma da Previdência deveria ter acionado todos os alarmes entre os que iniciaram o ano apostando na queda do presidente.

Pois fica aqui uma dica aos derrotados: haverá 2020. Os indicadores deste final de ano (a alta das vendas de Natal, as maiores desde 2014, é um deles) garantem ao governo sair na frente, com larga vantagem. É inútil uivar. A caravana passou.