grevecaminhoes
R7 Planalto O perigo de "correr sangue" nas estradas brasileiras 

O perigo de "correr sangue" nas estradas brasileiras 

  Um dos líderes dos caminhoneiros afirma que se houver repressão policial "vai correr sangue"

O presidente Michel Temer

O presidente Michel Temer

Correio do Povo - Cidades

A inépcia do presidente Michel Temer ao deixar que a crise assumisse a proporção que assumiu pode causar ainda mais estrago com o enfrentamento que parece inevitável nas estradas brasileiras.

O governo decidiu convocar as tropas federais para tentar consertar a bagunça que ele próprio criou, mas o uso da força, por sí só, não resolve o problema e, se for mal empregado, será o estopim de algo que ninguém tem capacidade de mensurar nesse exato momento.

A única certeza é que será extremamente danoso. Nós sabemos como isso começa, mas ninguém sabe como termina.

Professor vê risco de intervenção militar

Um dos incontáveis líderes dos caminhoneiros, conforme registrou O Antagonista, já avisou: "Ninguém vai conseguir tirar o caminhoneiro. Vai correr sangue nisso aí".

A fala em tom de ameaça de José da Fonseca Lopes dá bem a medida do nível de radicalização de muitos caminhoneiros. Os ânimos ficaram ainda mais exaltados quando a categoria percebeu que seu movimento recebeu imensa adesão da população.

E é natural que isso aconteça.

Michel Temer é a Geni dos novos tempos.

Um presidente com enorme déficit de probidade.

Por isso, um contingente expressivo de brasilerios apoia a greve sem ao menos ter noção se isso é bom ou ruim para o País.