R7 Planalto Oposição fecha acordo sobre atos e tenta atrair partidos de centro

Oposição fecha acordo sobre atos e tenta atrair partidos de centro

Nove partidos se reuniram nesta quarta-feira (15) em Brasília. Conversas com PSDB, DEM e MDB foram iniciadas

  • R7 Planalto | Plínio Aguiar e Mariana Londres, do R7

Na imagem, lideranças partidárias e parlamentares

Na imagem, lideranças partidárias e parlamentares

Divulgação

Após reunião ocorrida nesta quarta-feira (15) em Brasília, partidos políticos e parlamentares fecharam acordo em torno da manifestação contra o governo federal, prevista para 2 de outubro, e tentam atrair legendas de centro-direita e centro.

Partidos como PT, PDT, PSB, PSOL, PCdoB, Rede, PV, Cidadania e Solidariedade estiveram presentes no encontro, cujo objetivo era unificar as ações do campo da oposição e do centro em resposta aos ataques feitos pelo presidente Jair Bolsonaro nos atos de 7 de setembro.

“O mais importante da reunião é de que todos os partidos que ali estavam reunidos definiram que é fundamento da manifestação que está sendo convocada para o dia 2 de outubro em um único slogan: Fora Bolsonaro e Impeachment Já”, disse Roberto Freire, presidente do Cidadania, ao R7 Planalto.

O comandante nacional do PDT, Carlos Lupi, concorda com o político. “É um acordo para uma política de unidade e sem vetos a quem quiser participar dos protestos”, completa, acrescentando que saiu “satisfeito” da reunião.

Os nove partidos formaram um comitê pró-impeachment e, agora, articulam a adesão de outros membros de siglas de centro-direita e centro, como PSDB, MDB, DEM e PSD. A reportagem apurou que as conversas ainda estão na fase inicial.

As legendas convocaram, ainda, a população para a manifestação em 2 de outubro, em defesa da democracia, do impeachment do presidente, combate à fome, inflação e desemprego, entre outros pontos.

Outra manifestação nacional está sendo mobilizado pelos partidos – em 15 de novembro, data que celebra a Proclamação da República do Brasil, assim como um ato amplo na Câmara dos Deputados, ainda sem data definida.

Últimas