R7 Planalto Para delegados, intimidar PF é tiro no pé da PGR

Para delegados, intimidar PF é tiro no pé da PGR

Lindôra Araújo mira agente que comandava inquérito que apurava suposta interferência de Bolsonaro na Polícia Federal

Na imagem, subprocuradora Lindôra Araújo

Na imagem, subprocuradora Lindôra Araújo

Reprodução Conselho Nacional de Justiça

Delegados consideram o pedido de instauração de inquérito, feito pela PGR (Procuradoria-Geral da República) contra Felipe Alcântara de Barroso Leal, que comandava investigação sobre suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na PF (Polícia Federal), como uma nova diretriz da PGR e tentativa de intimidação da categoria.

“É uma diretriz da PGR. Embora assinada pela subprocuradora, representa a PGR. E estão equivocados, uma vez que estão dando um tiro no pé e tentando intimidar os delegados”, diz uma fonte ouvida pelo R7 Planalto. “Como que vai fazer uma investigação se, a qualquer momento, a PGR pode pedir inquérito por não concordar com a linha adotada pelo delegado?”, questiona.

A PGR requereu ao diretor-geral da PF, Paulo Maiurino, a abertura de uma investigação contra o delegado Felipe Leal para apurar se ele cometeu abuso de autoridade e se violou sigilo profissional no inquérito que comandava.

O documento é assinado por Lindôra Araújo, subprocuradora-geral da República e aliada de Augusto Aras, o PGR. O delegado apurava se Bolsonaro interferiu de forma política na PF. Em 27 de agosto, contudo, foi afastado das investigações após decisão de Alexandre de Moraes, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e relator do caso.

Na ocasião, o ministro argumentou que o delegado solicitou informações sobre atos do diretor da PF e de investigações a cargo da PGR, os quais não têm relação com a denúncia de interferência política na corporação, como informou em seu pedido de demissão o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro.

Após o afastamento do delegado do inquérito, a PGR requereu abertura de investigação contra Leal, que depende da PF. A reportagem tenta contato com os citados. O espaço está aberto para manifestação.

Últimas