R7 Planalto Pesquisa DataFolha mostra que onda conservadora veio para ficar

Pesquisa DataFolha mostra que onda conservadora veio para ficar

Personagem emblemática dos novos tempos, Damares Alves surge como segundo ministro de Bolsonaro mais bem avaliado: 43% de ótimo e bom

  • R7 Planalto | Marco Antonio Araujo, do R7

Damares Alves e Luiza Brunet no lançamento do programa Salva uma Mulher

Damares Alves e Luiza Brunet no lançamento do programa Salva uma Mulher

José Cruz/Agência Brasil

A pesquisa DataFolha desta segunda (09) permite várias interpretações, mas uma delas é obrigatória: o Brasil vive uma onda conservadora – e ela veio para ficar. O resto é detalhe, chorumelas, torcida a favor ou contra. Aceitar que o país mudou dói menos e evita desperdício de energia e bate-boca.

O governo vai terminar o ano mostrando uma resiliência que só não é maior e definitiva por questões secundárias, de estilo, a maioria referente ao discurso excessivamente ideológico de Bolsonaro. A realidade internacional tem se incumbido de impor os ajustes necessários. O envio do vice Mourão à posse do presidente argentino é um indicativo que 2020 mostrará ao mundo um país menos dogmático, atento às questões econômicas globais.

Ao lado da oposição, só restou o imponderável. A seguir o caminho natural e a dinâmica própria da política, em que impera o poder da caneta e do Diário Oficial, os brasileiros vão conviver ainda mais com as figuras que emergiram e tomaram assento no novo cenário.

E nem estamos falando de Sergio Moro, que segundo o DataFolha é conhecido por 93% dos entrevistados e avaliado como ótimo ou bom por 53% deles. Para os que achavam que o ex-juiz estava acuado por denúncias e sofreria um desgaste com o aumento de sua exposição, trago verdades: ele vai muito bem, obrigado.

Também não é o caso de Paulo Guedes, desde sempre visto como ministro confiável por amplos setores da sociedade. Continua bem na fita, reconhecido por 80% dos pesquisados e considerado ótimo ou bom por 39% desse universo.

Se há uma personagem cuja popularidade sacramenta os novos ventos vindos de Brasília, é a ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos). Tratada como excêntrica, alvo preferencial da esquerda identitária, é ela que surge como segundo auxiliar de Bolsonaro mais bem avaliado: 43% de ótimo e bom.

Para quem não gostou desses expressivos resultados, só resta um conselho: melhor já ir se acostumando. Vieram pra ficar.

Últimas