R7 Planalto Pesquisa exclusiva mostra que um em cada cinco brasileiros não quer imigrantes que fogem de guerras ou fome

Pesquisa exclusiva mostra que um em cada cinco brasileiros não quer imigrantes que fogem de guerras ou fome

  • R7 Planalto | Por Mariana Londres, de Brasília

Estados no Norte do País viraram entrada para venezuelanos

Estados no Norte do País viraram entrada para venezuelanos

William Urdaneta/Reuters

Não aos imigrantes  Pesquisa de opinião feita a pedido da coluna pelo Instituto Paraná Pesquisas indica uma guinada relevante na imagem de que o País é uma terra hospitaleira para os que vem de fora. A grande maioria dos brasileiros defende restrições à entrada de estrangeiros que estejam fugindo de uma situação de guerra, fome ou tensão religiosa. A maioria, ou 56,1%, apoia a chegada deles, mas com restrições. E, para 19,6%, ou seja, um em cada cinco brasileiros, não tem conversa: nenhum estrangeiro nessas condições poderia entrar no Brasil. Outros 13,9% são contrários apenas à entrada de muçulmanos. Os que defendem a entrada sem restrições são apenas 7,1% e 3,2% não sabem ou não opinaram.  

Norte A região Norte, porta de entrada de venezuelanos, bolivianos e haitianos pelas fronteiras, lidera entre os que defendem a entrada com restrições (65,%) e também tem o menor registro da total abertura das fronteiras. Apenas 2% dos entrevistados defendem entrada de estrangeiros sem qualquer restrição.  

Ensino superior Chama a atenção na pesquisa o percentual entre os entrevistados de ensino superior completo dos que são contra a entrada apenas de muçulmanos, de 15%, maior do entre os entrevistados de ensino fundamental 12% e muito próximo dos de ensino médio (14,9%). Por outro lado, também são os entrevistados do superior completo os mais tolerantes quando questionados se concordam com a entrada sem nenhuma restrição: 10,8%, ante 6% dos entrevistados dos ensinos fundamental e médio 

Em todo o País O Paraná Pesquisas ouviu 2.640 brasileiros de todas as regiões entre os dias 21 e 24 de agosto. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e o grau de confiança de 95%.

Últimas